África do Sul: a inversão do apartheid.

Por Portal Genocide Watch – Editado p/ Cimberley Cáspio

“A arrogância e a satisfação com as quais a nova África do Sul lida com o assunto do assassínio de fazendeiros [é inédita]. Eles simplesmente afirmam que são crimes isolados, normais, explicam que os fazendeiros são alvos fáceis, pois não têm cercas elétricas, não têm guardas. Então, na opinião deles, é mais fácil atacar uma fazenda.” Dannie de Beer – Sputnik Brasil

Cidade do Cabo – Hoje na África do Sul, os negros estão massacrando os brancos em todos os sentidos. Se houver vaga para emprego, sendo branco, está fora, e no extremo, o genocídio que ora acontece, está em andamento; onde o governo sul-africano, diz apenas que são casos isolados e nada mais que isso.

Os brancos que não conseguem sair do país, se protegem como podem em suas propriedades, e mesmo com tecnologia nos muros e portões e até mesmo cães, não está sendo suficiente.

Houve na realidade uma tremenda inversão do apartheid no país. Ser um branco na África do Sul, já é perigoso, e pior ainda, nem crianças idosos e doentes são poupados da morte.

O mais incrível de tudo isso, é que o governo sul-africano está passando à mão por cima do genocídio, e se fazendo de surdo-mudo em relação às denúncias das vítimas que conseguem sobreviver.

O nacionalismo está ativo no país, e até para se defender com armas está difícil. Se um branco matar um negro mesmo que seja em legítima defesa, com certeza, o branco será réu e acusado de homicídio.

A população branca reclama que quer obedecer as leis do país, o problema é que nem obedecendo as leis há qualquer tipo de proteção. E se não obedecer as leis, o que já é ruim, fica ainda pior.

Em 2013, a mídia social mostrou uma foto de um banner supostamente mostrado no lançamento do Economic Freedom Fighter (EFF) em Marikana.

       

Uma foto mostrava uma faixa vermelha com as palavras “Um revolucionário deve se tornar uma máquina de matar a frio motivado pelo ódio puro ” foi rapidamente compartilhada em várias redes sociais .

Outra foto mostrou um banner dizendo “A lua de mel acabou para os brancos na África do Sul”.

“Eu também vi que ‘precisamos matá-los como se tivessem nos matado’ ontem”, disse o usuário Qaanitah Hunter em um Tweet

“Não estou ciente desse banner”, disse à época o porta-voz nacional da EFF, Mbuyiseni Ndlozi, ao News24. “Não é oficial”.

Cameron Modisane, um apoiador da EFF que postou várias fotos do lançamento em seu perfil no Twitter, também respondeu a algumas das indignações no Twitter. Ele disse que o banner foi criado e pago pelos membros da filial Katlehong.

“Isso não é defender a matança de pessoas, mas sim a igualdade”, disse ele. “Nosso maior inimigo dentro da EFF é o capital de monopólio branco “.

Centenas de pessoas reuniram-se em Marikana, no Noroeste, para o lançamento do partido EFF de Julius Malema.

Malema, uma vez um defensor franco de Zuma e ex-presidente da ANC Youth League, formou a festa depois de ser expulso do ANC.

De acordo com sua constituição, a EFF é um movimento radical, de esquerda, anticapitalista e anti-imperialista.

O partido afirma que fornece alternativas claras e convincentes aos sistemas econômicos pós-coloniais, que muitos países mantiveram os oprimidos sob o domínio colonial.

O partido defende a expropriação das terras da África do Sul sem compensação, e a
nacionalização de minas, bancos e outros setores estratégicos da economia.

O que já está acontecendo.

Fontes: http://www.genocidewatch.org/southafrica.html e https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/2018073111848280-assasinio-fazendeiro-branco-negros-africa-do-sul/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s