O futuro fugiu do horizonte nacional; a esperança continua encarcerada.

 

Resultado de imagem para Foto: a esperança no cárcere

Depois da Venezuela, agora a Argentina começa também a descer à ladeira. As reservas nacionais foram totalmente rapinadas nos governos dos Kirchnner, e agora Maurício Macri está desesperadamente pedindo socorro ao FMI. Fome e desemprego em larga escala já é uma ameaça ao país, a economia vai pelo gargalo de forma robusta, não é um  simples vazamento, e no horizonte portenho, não há luz no fim do túnel. A inflação começa a subir; e a ajuda do FMI, mais parece uma corda para enforcamento do que o que deveria parecer.

E o Brasil vai perigosamente seguindo esse mesmo caminho. O país voltou ao mapa da fome, o desemprego registra números altíssimos, a violência está fora de controle e a eleição provavelmente será disputada sob tensão bélica, exemplo, Rio de Janeiro e São Paulo.  –Cimberley Cáspio –

Segue o artigo de Edney Cielice Dias, do Poder360, para termos uma ideia do quadro real que vem se apresentando no país.

Nos anos 70, um espetáculo assinado pelo dramaturgo Paulo Pontes (1940-1976) trazia o título “Brasileiro, Profissão Esperança”. Tratava-se de uma alusão a que, apesar das históricas dificuldades, havia a inabalável crença num futuro melhor, de que as coisas se acertariam de alguma forma. Seria uma identidade desta nossa gente bronzeada e inzoneira.

Décadas difíceis se sucederam desde então. O país avançou em diversos campos, mas, nesta presente e inexcedível crise, a profissão de esperança parece ter encontrado seu fim. Avaliar algo subjetivo como esperança é uma tarefa difícil, no mínimo controversa. Trovejam, no entanto, sinais robustos e diários do avanço de sua contraface, a desesperança.

O IBGE mostrou na semana passada que o desemprego caiu discretamente em boa medida porque aumentou o número de pessoas que desistiram de procurar uma colocação – quem não busca trabalho não é computado na estatística. O chamado “desalento”, a situação dos que não mais procuram emprego, atingiu seu recorde histórico.

O emprego é um problema que não comporta soluções simplistas. Além dos 12,9 milhões que correm atrás de trabalho – os desempregados –, há 6,6 milhões de subocupados, 4,8 milhões de “desalentados” e 3,3 milhões que não buscam trabalho por algum impedimento. Caracteriza-se uma tragédia: um quarto da força de trabalho brasileira está desempregada ou subutilizada.

A atual incapacidade de o país andar para a frente tem como pano de fundo a descrença generalizada nas instituições. Mesmo no contexto latino-americano, a avaliação dos brasileiros de seu sistema político, do Judiciário, da segurança pública é das piores, se não a pior, como mostram pesquisas nacionais e internacionais discutidas em artigos anteriores.

“desalento” não se resume assim ao trabalho, mas se estende às demais condições estruturantes da vida: a preservação da integridade física, o acesso e a qualidade dos serviços públicos, a credibilidade das autoridades constituídas. Sim, a concepção do brasileiro apegado à esperança ficou para trás como uma canção ingênua do passado, desconectada da realidade brutal.

A sociedade desalentada se desumaniza, pois nada é mais humano que a esperança. As pesquisas eleitorais refletem essa situação. Não é à toa que o agora impedido candidato petista estivesse no patamar dos 40% das intenções de voto mesmo na prisão, condenado em segunda instância.

Não se pode negar a Lula a sua face humana e a lembrança do tempo venturoso quando ele esteve na Presidência da República. Queira-se ou não, o homem que governou o Brasil de 2003 a 2010 representa a esperança encarcerada de milhões de brasileiros.

Tempos idos que não são passíveis de simples reedição, no entanto. Lula, como mostra a pesquisa Datafolha divulgada no último dia 22, apresentava rejeição de 34% do eleitorado. Perdia nesse quesito para o segundo colocado nas intenções de voto, Bolsonaro (PSL), com 39% de rejeição.

Assim é pouco provável que Lula pudesse unir o país, como ocorreu no passado.

Na truculência de seu discurso, Bolsonaro não deixa de, paradoxalmente, expressar algo bem humano: a indignação, canalizada da pior forma. Muitos desalentados querem “botar pra quebrar” sem refletir sobre as consequências de sua ira. Nesse sentido, sua penetração no eleitorado ocorre de forma similar ao avanço da extrema direita em diversas democracias.

De fato, os desalentados crescem em vários pontos do mundo. Eles estiveram por trás da eleição de Trump nos Estados Unidos, da vitória do Brexit no Reino Unido, nas irrupções direitistas na Europa em geral, com maior ou menor intensidade.

É lugar-comum atribuir essa situação ao alheamento dos políticos. Na realidade, não se resume apenas a eles. Não parece temerário afirmar que se verifica uma crise profunda de liderança, apenas mais visível no sistema político. Paralelamente, faltam na sociedade civil líderes capazes de sinalizar mudanças, de mobilizar a sociedade, de cobrar engajamento dos políticos.

A prática política tem de ser humanizada com o reconhecimento prioritário das necessidades prementes de uma população desamparada. Cabe às lideranças empresariais, sindicais, intelectuais etc. um papel ativo no chamamento dos políticos às responsabilidades.

Com a saída de Lula do páreo, a eleição brasileira dá sensação de começar atrasada. É uma lástima para os que valorizam o debate, o esclarecimento do eleitor e as alianças programáticas.

No retrato de momento, Bolsonaro se mantém firmão rumo ao segundo turno. A eleição recomeça para todos os demais candidatos. Se tivesse que apostar, diria que, neste avançado da hora eleitoral, poderá capitalizar mais votos quem se mostrar capaz de revelar uma face humana e de engajamento no combate aos graves problemas nacionais.

O candidato tem que trazer esperança. Estamos todos, de certa maneira, desalentados.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s