Líbia: negro que não está sendo morto nas ruas, está sendo vendido como escravo.

Por 9jabook.com e Ibrahima Bayo Jr. – La Afrique Tribune – Editado p/Cimberley Cáspio

Eles não estão matando nenhum africano antigo. Eles estão matando africanos negros, os africanos sub-saarianos negros. Tom de pele, a escuridão da pele, tornou-se para muitos negros na Líbia a diferença entre prisão, liberdade, morte e vida.

[Imagem: 291715_10150429700810729_661120728_10571...3511_n.jpg]

Crédito/Reuters

[Imagem: migrations.jpg]

Crédito/Reuters

Após a queda de Muammar Kadafi, ter a pele negra na Líbia, representa atrair todo tipo de problema. Sequestro, escravatura e morte. Um tratamento escandaloso e desumano que exuma os africanos de memórias distantes e dolorosas de um passado que se acreditava estar terminado. Funcionários da Organização Internacional para as Migrações (OIM) no Níger e na Líbia relataram em comunicado a existência de um comércio de migrantes sub-saarianos, vendidos como “escravos” pecuniários em “mercados” na Líbia. Um comércio imoral que prolifera em total indiferença em uma Líbia devastada pela guerra que está se tornando uma espécie de nova Gorée para migrantes.

E por outro lado, os rebeldes que atiraram pela queda do ditador Muammar kadafi, estão matando qualquer um que pareça sombrio. Dado que existem entre um milhão e dois milhões de africanos negros na Líbia, um massacre lento e sub-relatado está se desdobrando naquele país. É quase como nos dias do apartheid. Essas pessoas são presas, vendidas, torturadas ou assassinadas. Na Líbia, a OIM denuncia em um comunicado que centenas de migrantes subsaarianos se não estão sendo mortos, estão sendo vendidos publicamente em “mercados” ou garagens.

De acordo com vários testemunhos recolhidos durante um inquérito ao pessoal da OIM com sobreviventes migrantes, “você vai para o mercado, e você pode pagar entre 200 e 500 dólares por um imigrante”, denuncia Othman Belbeisi, o chefe da Missão do IOM na Líbia. ” Depois de comprá-lo, você se torna responsável por essa pessoa. (…) Alguns escapam, outros são mantidos em cativeiro;” revelou Belbeisi.

Ninguém se importa com o destino deles. Afinal, eles são negros e a vida negra é mais barata, principalmente entre os africanos. E a Anistia Internacional vem denunciando que os líbios negros e os africanos sub-saarianos “estão sob alto risco de abuso e morte.” 

Em face do desastre descrito pela organização afiliada da ONU, uma comunidade internacional silenciosa e imóvel que vem enfrentando violações abertas e sérias dos direitos humanos, a denúncia do IOM traz de volta lembranças de um passado doloroso na África.

As práticas de “escravos” na Líbia e o comércio são quase comparáveis ​​às da época da escravidão que a ilha de Gorée, ao largo de Dacar, ainda guarda vestígios. Os mercados de escravos líbios que florescem na Líbia são tantos que ultrapassam a dignidade humana. Se nada for feito, esta Líbia, devastada pela guerra e minada pela instabilidade, está prestes a se tornar a “Nova Gorée”! 

Os EUA e a Otan, mantiveram silêncio sobre esse assunto. Eles têm sangue nas mãos. Estariam tão calados se os brancos fossem assassinados em tão grande número na Líbia?

E onde estão os africanos? A UA é petulante, e recusa-se a falar ou intervir, enquanto seus irmãos e irmãs estão sendo assassinados.

http://9jabook.com/forum/topics/boko-lib…-in-the-st

afrique.latribune.fr/politique/2017-04-13/-marches-d-esclaves-quand-la-libye-devient-la-nouvelle-goree.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s