Delação de Sérgio Cabral, vai gerar um tsunami no Judiciário.

Por Blog do Josias de Souza – UOL

[Imagem: cabral-min.png?resize=720%2C405&ssl=1]

Sergio Cabral apaixonou-se pela ideia de virar um delator premiado. Se for um sentimento platônico, será inofensivo. Se a paixão for correspondida, a Lava Jato pode estar em apuros. Ainda que Cabral revelasse uma insuspeitada conexão entre a roubalheira que humilha o Rio de Janeiro e o Vaticano, a negociação de um acordo de colaboração premiada a essa altura seria um flerte do Ministério Público Federal com o escárnio. 

Irreconhecível, Cabral ingressou na política como um homem de bem. Cresceu na vida pública como um homem que se dá bem. E caiu em desgraça ao ser flagrado com os bens. Uma avalanche de sentenças soterrou-lhe a biografia. Por ora, coleciona condenações que, somadas, resultam em 198 anos e seis meses de prisão. 

O ex-governador do Rio chegou a esse ponto escarnecendo dos investigadores. No princípio, negava todos os crimes. Mas sua inocência virou uma ilha cercada de provas em contrário por todos os lados. Passou, então, a vender a tese segundo a qual não cometeu o crime de corrupção, fez “apenas” um caixa dois eleitoral. O lero-lero não colou. 

Cabral trancou-se em seus rancores, silenciando no último interrogatório conduzido pelo juiz Marcelo Bretas, há dez dias. É contra esse pano de fundo que chega a notícia sobre a súbita paixão do corrupto fluminense pelo instituto da delação e, sobretudo, pela perspectiva de premiação. Sonha com uma prisão domiciliar. 

Pela lógica da delação, Cabral teria de suar o dedo apontando para cima. O problema é que ele já frequenta o topo da cadeia alimentar na selva da corrupção. 

Diz-se que o candidato a delator dispõe de segredos que incriminariam inclusive o Judiciário, espirrando lama até a altura do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Admita-se que não é um blefe. Ainda assim, qualquer negociação que resultasse na abertura automática da cela de Cabral seria intolerável. 

A imagem de Cabral arrastando uma tornozeleira eletrônica entre o home theater e a sacada de um apartamento elegante de Ipanema estilhaçaria a vitrine carioca da Lava Jato. Além de desmoralizar o esforço, um acordo generoso com o larápio ofenderia as vítimas do assalto. 

/josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2018/12/24/cabral-com-tornozeleira-desmoralizaria-lava-jato/?utm_source=chrome&utm_medium=webalert&utm_campaign=politica

urbsmagna.com/tag/mpf-rio/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s