(ANA)Agência Nacional de Águas, aponta que 45 barragens estão com risco de rompimento. Se é iminente ou não, ninguém sabe.

Por Poder360


Barragem do Descoberto, localizada a cerca de 50 km de Brasília

A barragem da Vale do Rio Doce rompida no início da tarde desta 6ª feira (25.jan.2019) em Brumadinho (MG), município localizado a 51 km de Belo Horizonte, estava classificada como de baixo risco de acidentes e alto potencial de danos.

A informação consta do Relatório de Segurança de Barragens, elaborado pela ANA (Agência Nacional de Águas) a partir de informações prestadas por órgãos fiscalizadores. 

Eis a íntegra.

O relatório de 2017 aponta 45 barragens com risco de rompimento. “A maioria se deve a problemas de baixo nível de conservação da barragem, mas existem outros motivos de insuficiência do vertedor e falta de comprovação documental da estabilidade da barragem. Mais da metade destas barragens pertencem a órgãos e entidades públicas”, diz o documento.

Das 45 barragens com risco, 10 ficam em diferentes localidades da Bahia. É o Estado com o maior número de estruturas comprometidas.

Em Alagoas, o número é de 6 contenções prejudicadas. No Tocantins, há 4 delas em situação parecida.

Sergipe, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro são Estados em que há duas barragens em risco. Em Pernambuco, uma foi classificada em situação de risco.

Segundo o documento, o Brasil tinha 24.092 barragens em 2017. Elas são responsáveis por acúmulo de água, rejeitos de minérios (como era o caso da que se rompeu em Brumadinho) ou industriais e para geração de energia. Cerca de 41% do total (o equivalente a 9.827) são utilizadas para irrigação.

Em nota, a agência reguladora afirmou que, para elaborar o documento, encaminhou formulário para os órgãos fiscalizadores, que declararam as informações sobre as barragens sob sua responsabilidade.

“Neste questionário, a ANA perguntou quais barragens estariam em situação crítica e a barragem rompida nesta 6ª feira não foi apontada como crítica pela ANM (Agência Nacional de Mineração), responsável pelas informações das barragens de rejeito de minério”, disse a agência, por meio de nota.

A agência disse ainda que, para informações sobre a barragem de rejeito de minério da Vale, a ANM deve ser consultada.

Mais cedo, a ANA informou que está monitorando a onda de rejeitos da barragem, pois havia a preocupação de que esse material atingisse a Usina Hidrelétrica Retiro Baixo, mas que a barragem da usina, localizada a 220 km do local do rompimento, possibilitará amortecimento da onda de rejeito.

“Estima-se que essa onda atingirá a usina em cerca de 2 dias”, diz a nota.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s