Está chegando a hora! Trump dá ultimato aos militares venezuelanos.

Por Annie Karni , Nicholas Casey e Anatoly Kurmanaev – The New York Times. – Editado p/Cimberley Cáspio

[Imagem: 19venezuela1-superJumbo.jpg?quality=90&a...;auto=webp]

As forças de segurança colombianas vigiam os contêineres colocados pelas forças de segurança venezuelanas para bloquear a ponte fronteiriça que liga a Colômbia à Venezuela. Credit Meridith Kohut para o New York Times

MIAMI (Reuters) – O presidente Trump entregou na segunda-feira seu mais agudo aviso às autoridades militares venezuelanas em um confronto cada vez mais tenso sobre a crise do país, proclamando que “perderão tudo” mantendo-se leais ao presidente Nicolás Maduro e se recusando a permitir ajuda emergencial na fronteira .

Trump fez a advertência em um discurso denunciando o tipo de socialismo da Venezuela para uma multidão entusiasta em Miami que incluía muitos americanos descendentes de venezuelanos que fugiram da Venezuela ou têm parentes no país.

Ele falou cinco dias antes de um prazo que seu governo e o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, declararam por ter recebido ajuda humanitária no país – uma medida que visa enfraquecer Maduro, que não é mais reconhecido pelos Estados Unidos e por outras 50 nações. 

Trump foi o primeiro a reconhecer Guaidó no mês passado como substituto de Maduro até que novas eleições possam ser realizadas.

“Procuramos uma transição pacífica de poder, mas todas as opções estão abertas”, disse Trump. Ele pediu a todos os membros das forças armadas venezuelanas que autorizem a ajuda ao país, e os aconselhou a aceitar a oferta de anistia da oposição – ou eles não encontrarão “porto seguro”.

[Imagem: merlin_150857394_d2c1d2ec-06a8-4a66-9d04...;auto=webp]

O senador norte-americano Marco Rubio, à esquerda, passeia pelo armazém onde toneladas de ajuda humanitária estão armazenadas na Colômbia, do outro lado da fronteira com a Venezuela. Crédito Meridith Kohut para o New York Times

“Vocês irão perder tudo”, disse o presidente.

Apesar da linguagem difícil, ainda não está claro como a oposição venezuelana quebraria o bloqueio de Maduro na fronteira com a entrega de alimentos e medicamentos. O próprio assessor de segurança nacional de Trump disse que as forças armadas americanas – que transportaram toneladas de suprimentos para a porta da Venezuela na fronteira com a Colômbia – não entrarão no país.

A campanha ambiciosa de terra e mar traria suprimentos humanitários através da Colômbia, do Brasil e do Caribe e nas mãos de milhares de venezuelanos que sofreram com escassez prolongada de alimentos e remédios.

A advertência de Trump seguiu-se a um turbilhão de visitas de alto nível na fronteira entre Venezuela e Colômbia por autoridades americanas – incluindo o senador Marco Rubio, da Flórida, e o chefe da Agência para o Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos – que adotaram os planos da oposição de usar a ajuda. sua principal arma política.

Se o estrangulamento de Maduro no suprimento de alimentos e remédios puder ser quebrado, e puder-se mostrar que ele perdeu o controle da fronteira, sua legitimidade como presidente do país enfraquecerá, continua o raciocínio. Se os militares puderem ser convencidos a não ficar entre a população venezuelana e a ajuda humanitária, ele pode cair.

“No dia 23, algumas pessoas no regime terão que tomar uma decisão que define a vida”, disse Rubio nesta segunda-feira em uma entrevista em Cúcuta, onde uma ponte para a Venezuela é bloqueada por alguns contêineres. “Ou eles ficam com esse ditador, que é ilegítimo e cujos dias estão contados, e negam ao seu povo comida e remédios. Ou será a hora de dizer “isso é o máximo que iremos”?

É uma aposta arriscada para os adversários de Maduro, que dizem não ter certeza de como vão quebrar o bloqueio na fronteira no sábado.

Enquanto Guaidó é considerado pela administração Trump o presidente legítimo da Venezuela, a Casa Branca está enfrentando a realidade de que Maduro ainda controla os militares e, com ele, o Estado.

“Se a oposição – e a administração Trump – estão tentando encontrar maneiras de retirar o apoio militar de Maduro, ameaçar seu monopólio na distribuição de alimentos provavelmente não será útil nesse sentido”, disse Cynthia J. Arnson, diretora para a América Latina. Centro Internacional Woodrow Wilson para Estudiosos.

[Imagem: merlin_150351780_b46dbc78-f54b-48c8-a317...;auto=webp]

Crianças almoçam em uma cozinha de sopa patrocinada por políticos da oposição na favela de La Vega, em Caracas. Crédito Meridith Kohut para o New York Times

Ela acrescentou que, ao criar um confronto político sobre o carregamento humanitário, a Casa Branca só aumentou as perspectivas de que Maduro continuaria bloqueando a ajuda.

Para Guaidó, há um risco adicional: ao aceitar de todo coração o abraço de Trump, Guaidó pode parecer um fantoche dos Estados Unidos.

“Estar muito ligado aos EUA carrega muita bagagem em qualquer lugar da América Latina”, disse Adam Isacson, do Escritório de Washington sobre a América Latina, um grupo de direitos humanos. “E quando você tem um governo de esquerda que se baseia em questões do imperialismo americano, ele joga de perto em suas narrativas.”

Isacson, que dirige o programa de segurança e defesa do grupo, também expressou preocupação com a tensão que a retórica de Trump e Maduro estava levantando na fronteira.

[Imagem: merlin_150601614_a21f7b3d-6f8b-4a42-9c6d...;auto=webp]

Soldados venezuelanos e membros da milícia levantam seus punhos perto da ponte que liga Venezuela e Colômbia para que a mídia estatal possa filmá-los e mostrar seu apoio ao presidente Nicolás Maduro. Crédito Meridith Kohut para o New York Times

“Com esse tipo de chocalho de sabre, você cria potencial para um momento de gatilho para o cabelo”, disse ele, citando o envio de tropas de Maduro para a fronteira. “Um incidente pode ir mal.”

Cúcuta, que fica do outro lado do rio da Venezuela, oferece agora o tipo de cenas contraditórias que refletem um país onde dois homens reivindicam a presidência. Um dos contêineres bloqueando a ponte para a Venezuela, com a palavra “paz”, em espanhol.

Do lado venezuelano, o governo reuniu soldados, milicianos, veículos blindados e até mísseis. No lado colombiano, sentam equipes de notícias e caminhões cheios de suprimentos. Richard Branson, o bilionário britânico, convidou uma formação de músicos latino-americanos para realizar um concerto de ajuda na noite de sexta-feira .
No entanto, ninguém explicou como a ajuda chegará à Venezuela. A oposição até agora tem estado quieta sobre detalhes de seus planos, dizendo que se eles divulgassem informações, Maduro os frustraria com suas forças de segurança.

[Imagem: merlin_150861531_548661ff-7f82-4c4a-aa78...;auto=webp]

As pessoas andam de Villa del Rosario, Colômbia, em direção à ponte fronteiriça Simón Bolívar, para atravessar à Venezuela. Crédito Meridith Kohut para o New York Times

Gaby Arellano, um parlamentar de oposição enviado por Guaidó para coordenar a ajuda, disse que a oposição não precisa necessariamente usar a ponte Tienditas bloqueada.

“A fronteira com a Colômbia é imensamente longa, assim como a fronteira com o Brasil e a fronteira com as Antilhas”, disse ela. “Queremos que a ajuda esteja chegando em todos os pontos.”

Por mais de uma semana, ativistas e autoridades disseram que estão ponderando a opção de simplesmente contrabandear a ajuda através das fronteiras porosas da Venezuela, ao longo de rotas usadas há muito tempo para transportar produtos contrabandeados e combustível. Ativistas da oposição disseram que já uniram forças com a comunidade indígena Pemones no leste da Venezuela para trazer suprimentos por rio, usando suas canoas.

Outra opção, empurrada por aqueles que buscam um confronto mais direto com Maduro, teria ativistas cercando um caminhão de ajuda na Colômbia, à medida que lentamente se aproxima da Venezuela. Sob esse plano, os manifestantes da Venezuela abordariam em número maior os soldados estacionados no lado venezuelano e permitiriam que a ajuda se movesse, possivelmente usando uma empilhadeira para empurrar para o lado os contêineres que bloqueiam a ponte.

[Imagem: merlin_150859563_fb87c6a6-6539-41b4-849c...;auto=webp]

O rio Táchira separa a Colômbia, a direita, e a Venezuela, à esquerda. Crédito Meridith Kohut para o New York Times

Em Curaçao, os funcionários da oposição foram motivados pela disposição do ministro das Relações Exteriores do país em realizar uma ajuda ao longo de um corredor marítimo há muito usado por imigrantes venezuelanos para fugir do país. Mas nos últimos dias, os planos pareciam estar desmoronando, enquanto os políticos de Curaçao se opunham ao uso da ajuda como arma política.

A incerteza deixou alguns na Venezuela sem contar com ajuda em breve.

“Eles dizem que estão no comando do governo, mas os que estão no comando são os que controlam a ponte”, disse Héctor Cárdenas, 52 anos, que cruzou a fronteira para comprar um mês de óleo de cozinha, vegetais, sabão e medicamentos na Colômbia. “A oposição não tem poder real.”

John R. Bolton, conselheiro de segurança nacional de Trump, disse a repórteres em Miami antes do discurso que os voluntários venezuelanos trariam todos os suprimentos doados, sem ajuda das forças americanas que estocaram a ajuda no lado colombiano.

Independentemente disso, o resultado não seria ideal para Maduro, disse Bolton, porque se os militares venezuelanos bloqueassem a ajuda, o mundo veria as “cores verdadeiras” de Maduro.

“Esperamos que a imprensa esteja lá para ver os partidários de Maduro impedindo a assistência humanitária de ir para os pobres da Venezuela”, disse Bolton. “As pessoas querem saber por que o povo venezuelano está se levantando. Aquele ato de Maduro seria uma prova além das palavras.

Em Caracas, o governo venezuelano fez sua própria tentativa de transformar as guerras de propaganda em comida na segunda-feira.

O ministro das Comunicações, Jorge Rodríguez, disse que a Venezuela enviaria 20 mil caixas de comida para Cúcuta, citando a história de violência das drogas e pobreza na Colômbia.

“Parece que ninguém cuida do povo colombiano, especialmente daqueles que estão na fronteira”, disse ele.

Annie Karni relatou de Miami, e Nicholas Casey e Anatoly Kurmanaev relataram de Cúcuta, Colômbia. Patricia Mazzei contribuiu com reportagem de Miami.

http://www.nytimes.com/2019/02/18/world/…e=Homepage

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s