5 de junho, Supremo decidirá se a “erva” será ou não legalizada.

Por Dejair Neto – jornal O DIA

Marcha da Maconha acontece no Rio neste sábado

Marcha da Maconha que aconteceu neste sábado no Rio de Janeiro Divulgação

Rio – Com o slogan “Contra o abate nas favelas, legaliza, com o Supremo, com tudo”, a 16ª Marcha da Maconha foi realizada neste sábado na Zona Sul. A concentração começou por volta das 14h20, na praia de Ipanema, na altura do Jardim de Alah, e o protesto teve início às 16h20, com a passeata em direção ao Arpoador. O objetivo da manifestação é a defesa da legalização da maconha e mostrar que a “guerra às drogas” serve como instrumento para criminalização da pobreza. A marcha, que acontece todos os anos, teve em 2018 a participação de aproximadamente 10 mil pessoas.

Para a edição de 2019, os organizadores acreditam que esse número deve ser menor por conta  dos “novos governos reacionários”, mas a quantidade de pessoas em torno do carro de som “surpreendeu”.

Os organizadores contabilizaram cerca de 5 mil presentes. O vereador Renato Cinco é um dos organizadores do evento desde 2005 e também é conhecido por sua postura a favor da legalização da maconha. Em um vídeo publicado em sua página do Facebook durante a marcha, o político também defendeu a regulamentação do uso da droga.”Muita gente que até concorda com a legalização diz “eu até concordo mas esse movimento não é importante, nós temos coisas mais importantes para lutar no Brasil neste momento”. Nós que estamos aqui evidentemente discordamos e é importante a gente dizer o porquê que a gente discorda. A gente discorda porque a gente sabe que a maconha não mata, mas a proibição da maconha mata todo dia. A maconha hoje não é a porta de entrada para outras drogas, como gostam de falar sem nenhuma prova científica. A proibição da maconha é que é a porta de entrada pro presídio, pra dezenas de milhares de jovens, negros, pobres, que são muitas vezes presos com menos de cinco gramas de maconha. E mesmo assim, porque são negros, pobres e favelados são condenados à cadeia como traficantes. Isso quando não são condenados à morte por execução sumária, num país onde oficialmente não existe a pena de morte”, disse.

O vereador também comentou do sentimento pelo qual eles marcham neste ano, que é um misto de esperança e preocupação. “Esse ano nós marchamos com uma grande esperança, uma grande preocupação: a nossa grande esperança é o julgamento agora no dia cinco de junho da descriminalização do uso pelo Supremo Tribunal Federal, o avanço que pode acontecer, que não vai parar a nossa luta, porque a nossa luta é pela legalização, não é só pela descriminalização”, afirmou.Renato Cinco também criticou a decisão do presidente Jair Bolsonaro ao assinar a nova Política Nacional sobre Drogas, que prevê tratamento baseado em abstinência, apoio ao modelo de comunidades terapêuticas e estímulo à visão de que a diferenciação entre usuário e traficante deve ocorrer com base nas circunstâncias do flagrante e não considerando a quantidade de drogas.

O decreto também se posiciona contrário à descriminalização, em especial da cannabis.”Essa portaria é um retrocesso, porque ela pretende restabelecer a política de internação compulsória em massa de usuários de drogas no nosso país. O Bolsonaro assinou uma portaria que é contra a lei, porque a lei que vigora no Brasil é a lei da reforma psiquiátrica de 2001, que não tem como medida a internação a não ser em casos extremos de ameaça direta à vida da pessoa com problemas mentais”, pontuou. A discussão que envolve a maconha também tem a ver com o seu uso medicinal.

O presidente da Associação Brasileira para a Cannabis (Abracannabis), Pedro Daniel Zarur, explica que a planta já é usada há milhares de anos e foi uma das primeiras a serem cultivadas pela humanidade. Ele conta como utiliza a cannabis em seu tratamento médico.”Eu tive poliomielite na minha infância, tive sequelas nas minhas pernas e devido a isso, hoje em dia, eu tenho 57 anos e apresento artrose no meu ombro, bico de papagaio, que me leva a dores apáticas bem fortes. A cannabis me ajuda como analgésico e como anti-inflamatório, eu faço meus exames médicos regulares e meu fígado está ótimo. Se hoje em dia eu fosse tomar a quantidade de remédios que eu teria que tomar para aplacar minhas dores, eu certamente já seria paciente de outros médicos. Eu cultivo legalmente, tenho autorização”, finalizou. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s