“Nós não envenenamos o prato de ninguém”. Declarou a ministra da agricultura Tereza Cristina.

Por Xico Graziano – Poder360

‘Detratores do agro reduzem os agricultores a assassinos contumazes. Agridem sem dó a agronomia nacional’, afirma Xico Graziano

O local e o momento eram oportunos. Estava a ministra Tereza Cristina abrindo a campanha em defesa dos produtos orgânicos, promovida pelo Ministério da Agricultura. Dali, tacou seu desabafo:

“Considero um desserviço ao país, uma ação de lesa-pátria a campanha de desinformação contra a qualidade dos nossos alimentos. Nossos concorrentes agradecem.”

Novamente, agrotóxicos eram o assunto. O controverso tema é recorrente na mídia nacional. Postagens na rede contra os agrotóxicos vendem o inferno à opinião pública.

Detratores do agro reduzem os agricultores a assassinos contumazes. Agridem sem dó a agronomia nacional.

O que é fake, e o que é fato, nesse assunto dos agrotóxicos? Vamos analisar três questões:

  • Sobre resíduos de agrotóxicos nos alimentos

A Anvisa realiza no país o monitoramento da qualidade dos alimentos in natura. Um resumo de sua atuação, em vários anos, mostra que, das 12 mil amostras pesquisadas, apenas 3% indicaram resíduos de produtos químicos acima do limite máximo permitido (LMR).

Significa que essas amostras (3%), contaminadas acima do LMR, causam danos à saúde? Não necessariamente. Ocorre que a margem de segurança estabelecida situa-se, em geral, 100 vezes abaixo da dose nociva determinada, em laboratórios, para cobaias.

Ou seja, os níveis de resíduos detectados são baixíssimos. Por esta razão, jamais alguma autoridade médica recomendou que a população deixasse de ingerir frutas, legumes ou grãos por estarem “contaminados”.

Alguns argumentam existir um “efeito cumulativo”, causado pela ingestão sucessiva de vários alimentos, o que potencializaria o dano à saúde humana. Jamais essa hipótese foi cientificamente comprovada.

  • Sobre a utilização nacional de agrotóxicos

Sim, é verdade que o Brasil é o maior consumidor mundial de defensivos agrícolas. Segundo o Ibama, foram utilizadas 539,9 mil toneladas de pesticidas em 2017, quase a metade apenas na lavoura da soja.

Quando, porém, se calcula, em valor, o uso de agrotóxicos por hectare cultivado, quem lidera o ranking mundial é o Japão (US$ 455/ha). O Brasil (US$ 111/ha) fica em sétimo lugar. Se o índice considerado for agrotóxico por alimento produzido, o Brasil cai para 13º lugar.

uso de agrotóxico por hectare cultivado

dados de 2017

paísvalor (em US$)
Japão455,0
Coreia do Sul238,5
Alemanha210,0
Itália175,2
França174,0
Reino Unido152,4
Brasil111,2

fonte:Unesp Botucatu/Andef

uso de agrotóxico por tonelada alimento produzido

dados de 2017

paísvalor (em US$)
Japão95,4
Coreia do Sul47,0
Itália22,6
França18,4
Alemanha18,0
Canadá17,8
Reino Unido15,1
Espanha14,6
Estados Unidos11,3
Argentina10,2
Austrália9,1
Polônia8,8
Brasil8,1

fonte:Unesp Botucatu/Andef

  • Sobre o registro de agrotóxicos

Acusa-se o atual governo de facilitar o registro de produtos, pois foram 169 agrotóxicos liberados para uso neste começo de ano. É verdade. Acelerou-se o processo administrativo.

Mas, atenção: nenhum desses 169 agrotóxicos constitui novos ingredientes ativos; todos são misturas comerciais de substâncias anteriormente aprovadas, ou “genéricos” de moléculas já existentes.

Ou seja, o governo fez aumentar a concorrência no mercado, autorizando o uso de formulações de pesticidas mais atualizadas e eficientes.

Aumentará o consumo de agrotóxicos no país? Provavelmente, não, pois os agricultores substituirão marcas antigas pelas novidades técnicas. Haverá benefícios econômicos e ambientais.

“Nós não envenenamos o prato de ninguém”, arrematou Tereza Cristina, reagindo contra os alarmistas. Nem aqui, nem no Japão, complemento eu.

Polêmicas são úteis ao avanço do conhecimento. Agora, imaginar que os agricultores brasileiros envenenam o mundo, significa considerar que a moderna agronomia faliu, e que nós, os profissionais do campo, somos um bando de desvairados mentais.

Senhores jornalistas, prestem mais atenção no conteúdo técnico de suas reportagens. Consultem fontes mais consistentes. Ajudem a combater a pior praga que existe: a desinformação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s