Desde abril, doações ao Templo Satânico nos EUA, já são dedutíveis no imposto americano.

Por Héctor LLanos Martínez – Londres/EL PAÍS

Estátua de Baphomet erigida pelo Templo Satânico.
Estátua de Baphomet erigida pelo Templo Satânico. MAGNOLIA FILMS

Desde abril de 2019, o Serviço de Impostos Internos dos Estados Unidos (IRS, na sigla em inglês) concede deduções fiscais aos cidadãos que doem dinheiro para o Templo Satânico. Esta organização, que desde 2013 cultua o diabo, tem o mesmo status de instituições de caridade e igrejas, sinagogas e mesquitas.

Mesmo que seja uma loucura, não é exatamente o que parece. É verdade que seus seguidores se vestem principalmente de preto e que frequentemente invocam Satanás, mas não participam de rituais sórdidos nem sacrificam bebês. E somente usam seus tridentes para limpar com eles as praias e as ruas de suas cidades.

Simplesmente, impuseram muita ironia em sua forma de compreender o ativismo. Defendem a liberdade social e religiosa em um país que, em teoria, é oficialmente secular. Se neste momento os direitos fundamentais dos cidadãos são atacados em nome de Deus, a alternativa será adorar Satanás?, eles se perguntam. É uma surrealista defesa da separação da Igreja e do Estado em meio a um discurso ultraconservador cada vez mais popular e agressivo.

Assim argumenta esta organização fundada por Lucien Greaves, que informa ter passado de três a 50.000 membros em três anos e cuja ascensão é o tema do documentário Hail Satan?, dirigido pela cineasta Penny Lane e apresentado no Sundance London, depois de projetado no início do ano na edição norte-americana do festival.

“Ser ateu é chato. Você não tem uma iconografia nem uma comunidade com a qual possa se reunir”, diz um de seus membros em um momento do filme. Lane minimiza em várias ocasiões a ironia dessas palavras. “O que eles defendem é que ser ateu é uma posição passiva demais. Nestes momentos de crispação, é preciso passar à ação e lutar pelos direitos de todos”, disse ela a EL PAÍS durante a apresentação do filme em Londres.

Um exemplo de que suas ações são provocadoras e reivindicativas, e inofensivas, é a cruzada que eles mantêm há anos no Capitólio de Oklahoma. Apesar de ser um edifício governamental, foi decidido colocar ali uma enorme estátua com a tábua dos dez mandamentos, como as dos filmes clássicos de Cecil B. DeMille. O Templo Satânico contra-atacou construindo a sua própria, com financiamento coletivo. Reproduz uma figura de Baphomet, um deus com cabeça de animal relacionado com o satanismo, no qual colocaram o torso de Iggy Pop. Tentam desse modo defender as outras opções religiosas minoritárias.

A inesperada ascensão do Templo Satânico nos Estados Unidos

“Achei que se as pessoas dedicarem seu tempo a prestar atenção e escutar sem preconceito o que eles dizem, vão perceber que sua mensagem faz sentido e que não é negativa. Um documentário de uma hora e meia é uma maneira de conseguir isso”, diz ela.

Do ponto de vista particular dessa organização fundada nada menos do que em Salem, a Bíblia não faz nada além de lembrar que Satanás era um tipo muito descontraído e tolerante. “Se Eva não tivesse caído na tentação da maçã, que tipo de vida a aguardava? Uma de total servidão e sem liberdade de escolha”, comenta Jex Blackmore, que durante anos foi o porta-voz oficial do movimento. “Quando Jesus Cristo passou 40 dias em jejum no deserto, Satanás apareceu para dizer: ‘Ei, cara, você não precisa fazer isso. Beba um pouco de água, rapaz”, diz outro de seus membros no documentário.

Diante da gozação, Lane não teve remédio, a não ser explorar um gênero pouco comum: o documentário comédia. Mas a verdade é que muitas das brincadeiras procuram se posicionar no limite do que é permitido. À medida que o discurso do Templo Satânico se tornou mais popular, mais alarmes dispararam no setor mais reacionário dos Estados Unidos. Nos últimos anos eles se tornaram hóspedes regulares das emissoras de TV conservadora, com a intenção de trollar sua programação o máximo possível.

“Jogam com símbolos, palavras e ideias que todo mundo conhece e se relacionam com algo muito negativo. Há americanos que levam muito a sério a dicotomia do céu e do inferno e de Deus e do Diabo. Pode acontecer de sua ironia obscurecer sua verdadeira mensagem? Claro, mas não acho que eles se importam muito. Não pretendem ser populares nem converter aqueles que não entendem o que estão fazendo”, argumenta a diretora.

Mas isso não significa que seu discurso defenda que todos façam o que quiserem. Seus princípios fundamentais, que são sete, rejeitam todas as formas de violência, buscam lutar pelo justo e que “nenhuma historinha espiritual” rejeite a ciência, entre outras coisas.

Sua frivolidade na hora de se apropriar da figura de Satanás (e de Deus) em vão tem uma explicação na onda de pânico de Satanás que percorreu os Estados Unidos entre os anos 70 e 90. Naqueles anos, os programas de televisão se encheram de histórias sobre uma sociedade secreta que assassinava e violava crianças em nome do diabo. As supostas vítimas colaterais desses ritos eram os convidados de destaque dos programas da influente Oprah Winfrey. O tempo mostrou que esses fatos não eram reais.

A inesperada ascensão do Templo Satânico nos Estados Unidos

Lucien Greaves, o irônico fundador do templo, durante uma entrevista para Fox News

Há uma geração, que é a minha e a da maioria dos membros do Templo Satânico que aparece no documentário, que cresceu vendo essas notícias falsas na televisão. Descobrir que nada disso era verdade definiu de certo modo a nossa forma de ver o mundo”, explica Lane.

Não é a primeira vez que a cineasta desafia os pilares fundamentais em que se baseia a sociedade norte-americana. Já fez isso em Our Nixon e Nuts!: “Suponho que sinto a necessidade de contar a nossa história de um outro ponto de vista porque suspeito que nos faltam dados na hora de analisar o passado do país. Acho que não temos uma perspectiva completa das coisas. Além disso, gosto desse tipo de filme que me faz sentir idiota, que no final me faz pensar: ‘Uau, não posso acreditar que eu tenha engolido essa mentira por tanto tempo’. E é isso que quero fazer o espectador sentir”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s