Consórcio Nordeste, formado por governadores do Nordeste, articula a volta do Mais Médicos à região.

Por Revista Sputnik

Programa Mais Médicos deve ser retomado em breve

Organizados pelo Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste), os governadores da região buscam voltar a contratar médicos cubanos após o Programa Mais Médicos perder a colaboração dos profissionais da ilha caribenha.

A iniciativa dos 9 Estados do Nordeste foi formalizada em março e o seu primeiro presidente será Rui Costa (PT), governador da Bahia. A organização também incluiu em sua agenda críticas à reforma da Previdência e ao decreto das armas de Jair Bolsonaro (PSL).

O deputado federal José Guimarães (PT-CE) afirma em entrevista à Sputnik Brasil que uma das prioridades é voltar a oferecer assistência médica em cidades que ficaram sem cobertura após a saída dos cubanos do Mais Médicos.

Cuba decidiu convocar os profissionais da saúde que trabalhavam no Brasil após a eleição de Bolsonaro alegando que o novo presidente fez referências “depreciativas e ameaçadoras” aos seus profissionais.

Desde então, o Governo Federal tentou, sem sucesso, substituir os cubanos. Segundo levantamento do jornal O Globo, 42% das cidades brasileiras que chegaram a ter médicos cubanos seguem sem conseguir preencher todas suas vagas. Quando o convênio com Cuba ainda estava vigente, esta cifra era de 23%. O Nordeste é a região mais afetada pela falta desses profissionais da saúde.

“O governo Bolsonaro cometeu um grave atentado à saúde das populações mais carentes de todo o país, especialmente no Nordeste. Com o Mais Médicos, a maioria das comunidades rurais que não têm acesso a nada receberam pela primeira vez um médico”, diz Guimarães à Sputnik. “Muitos dos médicos brasileiros não têm disposição de irem morar lá nas comunidades rurais, quilombolas e indígenas.”

Mais de 8 mil médicos cubanos chegaram a trabalhar no Brasil. Eles preencheram vagas que primeiro foram oferecidas aos profissionais brasileiros.

A contratação dos médicos cubanos seria feita pelo Consórcio Nordeste junto à Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), sem passar pelo Governo Federal.

“Se a União não faz, os Estados podem fazer”, diz Guimarães.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s