Guerra do Vietnã: governo dos EUA alertava os norte-vietnamitas sobre ataques americanos dia antes da ação. O objetivo da guerra não era a vitória.

Por John Chesire – piloto de combate da F-4 Navy durante a Guerra do Vietnã / Quora.com – editado p/Cimberley Cáspio

Como alguém que voou em missões de combate sobre o Vietnã do Norte posso dizer-lhe que havia um grande número de alvos militares valiosos que foram proibidos de atacar durante a maior parte da guerra, incluindo os seus aeroportos, navios no Haiphong Harbour, e os armazéns nas docas. Quanto aos sítios soviéticos, isso talvez fosse um pouco diferente.

Não me lembro de ser impedido de atacar qualquer sítio soviético. No entanto, em relação aos militares russos, não existe um simples “sim” nem “não” para essa questão. É uma história um pouco mais complexa.

As regras de engajamento (ROE), embora sempre restritivas, foram, ao mesmo tempo, fluidas com várias mudanças e diferentes níveis de restrição. Na verdade, o Presidente Johnson e o Secretário de Defesa McNamara administraram a guerra aérea a partir de Washington, e na verdade escolhiam quais os alvos que nós poderíamos e deveríamos atacar e nos restringir de muitos outros.

Nem o Presidente nem o Secretário de Defesa procuraram vencer a guerra. Esse não era o objetivo. Em vez disso, eles procuravam processar uma guerra de “ ação limitada ”. O medo era escalonar a guerra, a fim de não envolver os soviéticos ou a China Vermelha no conflito direto e militarmente. Portanto, como disse, o objetivo não era vencer , mas sim levar os norte-vietnamitas à mesa de negociações e chegar a algum tipo de solução para acabar com a guerra. E salvar a política.

O pai da Escola Topgun colocou isso em seu livro recente, Topgun, An American Story :

“Johnson e McNamara microgerenciaram a guerra aérea perdida de Washington, DC, chegando a ponto de escolher nossos alvos. Havia talvez 150 coisas que valeria a pena bombardear no Vietnã do Norte. Aeródromos, bases militares, instalações de suprimento, usinas elétricas, pontes, centro ferroviário, instalações de petróleo e lubrificantes, algumas usinas siderúrgicas e, claro, as instalações portuárias de Haiphong… ”[…]“ Mas não conseguimos atingi-los. E também não podíamos explorar o porto. Que tragédia ”[Nota pessoal: Algumas dessas restrições foram posteriormente levantadas no ROE em constante mudança, mas a maioria não.

Embora eu não me lembre de ser restrito a sítios soviéticos, houve várias ocasiões de “paradas de bombardeio” no norte. Durante esses períodos de calma, os norte-vietnamitas aproveitavam para aumentar o número de reforços e recursos. Sempre com ajuda dos militares russos.

Devido aos acúmulos soviéticos durante o período da guerra, fomos proibidos pelo ROE de ir para o norte acima da DMZ. No entanto, o general JD Lavelle concebeu um plano único para contornar este ROE restritivo, e bombardear o norte. A ordem de ataque irritou políticos e generais em Washington e o general JD Lavelle foi forçado a se aposentar. https: //en.wikipedia.org/wiki/Jo …

[Nota: Eu realmente participei de um desses ataques de reação protetora. Embora tenha sido minha primeira missão no norte fiquei muito apreensivo quando ela se revelou sem problemas.] Esses ataques de reação protetora foram poucos e não causaram dano quase nenhum às bases soviéticas no cenário da guerra.

Embora eu não possa comentar sobre quaisquer restrições sobre nós para não atingir os russos, posso dizer que Washington estava muito preocupado com a possibilidade de acertá-los. Como os técnicos soviéticos ocupavam muitos dos locais alvos, o temor era que um ataque pudesse matá-los, resultando assim, uma resposta militar indesejada da União Soviética.

Anos depois, soube que nosso próprio governo alertava em particular os norte-vietnamitas sobre nossas intenções de atacar alvos específicos dias antes da ação. Isto supostamente fazia com que os técnicos soviéticos saíssem do local para não morrerem. É claro que alguns desses alvos eram móveis e não estavam mais lá no dia seguinte. E tendo sido avisados, os norte-vietnamitas esperavam ansiosamente a nossa chegada com poderoso fogo antiaéreo. Fomos traídos pelo nosso próprio governo.

Foi muito frustrante, dia após dia, arriscar nossas vidas por uma guerra que não tinha um objetivo vitorioso e tão mal conduzida. Havia tantos alvos militares convidativos em nossos voos diários, mas fomos proibidos pelos políticos em Washington de atacar. Foi uma maneira terrível de conduzir uma guerra que se tornou invencível. Mas esse era um dos objetivos políticos … não ganhar , mas conduzir uma ” guerra limitada “, o que fizemos … como muitos diriam, lutamos com uma mão amarrada nas costas.

Mais tarde, o ex-secretário de Estado Dean Rusk mencionou isso a Peter Arnett em um documentário da CBS chamado “The Ten Thousand Day War>”

Arnett perguntou: “Há rumores de que os Estados Unidos forneceram ao governo norte-vietnamita os nomes dos alvos que seriam bombardeados no dia seguinte. Existe alguma verdade nessa alegação?”

O ex-secretário respondeu: “Sim. Nós não queríamos prejudicar o povo norte-vietnamita, então passamos os alvos para a embaixada suíça em Washington com instruções para passá-los para o governo da NVN através de sua embaixada em Hanói”.

Fonte: General Pete Piotrowski’s book, “Basic Airman for General: The Secret War and Other Conflicts.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s