Agrotóxicos são venenos, pensados e elaborados com o propósito único de matar todo tipo de vida.

Por Althem Teixeira Filho e Decio Machado – Poder360

Imagem relacionada

Agrotóxicos são venenos, pensados e elaborados com o propósito único de lesar organismos! De forma mais direta e clara: são biocidas que matam células, sejam elas animais, vegetais, fungos, bactérias ou fauna edáfica!

Refletindo nessa lógica, responde-se ao Sr. Graziano, sempre lastreados em fatos e argumentos científicos, evitando-se interpretações numéricas controversas, ideologias, visões economicistas ou tergiversações.

O campo acadêmico e científico apresenta discordâncias, obviamente, mas os embates travados, mesmo no calor da disputa de ideias, devem ser sempre respeitosos e possíveis “agressividades de argumentos” jamais podem alcançar a órbita da pessoalidade.

Quem leu, sabe que a publicação da professora Larissa Mies Bombardi (USP) indica, e qualificadamente, a dispersão, volume empregado e a permissividade de regramentos aos agrotóxicos no Brasil. Os dados são valiosos, um alerta importante e uma referência na orientação em saúde pública!

Ela não ataca ou sequer desmerece “agrônomos e produtores rurais”, mesmo porque não se tem ideia de quantos desses concordam ou não com o uso de agrotóxicos.

O Sr. Graziano cita o veneno DDT, lançado em 1946, e usado no combate a mosquitos. Sabe-se que, já em 1950, publicação científica mostrou que pintos machos submetidos ao produto, quando adultos tinham aparência de galinhas, além de testículos diminuídos. Salvou vidas, mas, ao ser usado como fonte de lucros multimilionários, gerou vários impactos sobre pessoas e meio ambiente. Quando comprovado que ocasionava avassaladora morte de pássaros, inclusive levando a um assustador desaparecimento da águia que é símbolo dos EUA, então foi proibido!

No seu lançamento surgiram três inverdades, transformadas em regras propagandísticas basilares e que são repetidas “ad nauseam” até hoje: 1. Podia ser ingerido que não causaria problemas; 2. Quando usado adequadamente seria um “benfeitor da humanidade”; 3. Ajudava a matar a fome do mundo!

Em propagandas apareciam crianças sendo fumegadas com o veneno enquanto lanchavam, induzindo a uma inexistente “inocuidade”. Com o mesmo propósito, vendedores misturavam-no à comida antes da ingestão.

Ressalta-se o emprego da primeira regra/inverdade no Brasil, quando um apoiador da transgenia e desses venenos agrícolas, membro de renomada instituição de pesquisa e então dirigente de importante “comissão científica nacional”, afirmou sobre o glifosato que “a vantagem na segurança alimentar é que os humanos poderiam até beber e não morrer porque não temos a via metabólica das plantas”!

Uma afirmação inverídica, tendenciosa, irresponsável e leviana!

Nesse texto entende-se que há muito tempo foi superada a fase de discussões sobre possíveis impactos dos agrotóxicos na saúde humana, animal e meio ambiente.

Tais malefícios estão comprovados através de milhares de publicações científicas!

Para além, poder-se-ia citar os inúmeros alertas de várias instituições nacionais e estrangeiras, sempre as independentes, as quais confirmam as adversidades dos agrotóxicos.

Reforçando o ideário aqui exposto, transcreve-se a manifestação da Gerente do Programa de Toxicologia, Glyphosate-WorldWide, da companhia Monsanto. Ponderou ela em mensagem interna, no ano de 2003, sobre o glifosato: “Não podemos apoiar a afirmação sobre nenhum efeito adverso na flora, fauna ou no corpo humano. Efeitos adversos são observados na flora (o glifosato tem o propósito de matar a vegetação), efeitos adversos na fauna –em estudos com animais de laboratório– até a morte (estudos LD50, por exemplo) e em humanos –irritação leve dos olhos e da pele é vista com o uso normal e a morte pode ocorrer em tentativas de suicídio. Portanto, aconselhamos usar a frase…. ‘Quando os herbicidas Roundup são usados ​​de acordo com as instruções do rótulo, não são esperados efeitos adversos injustificados para as pessoas, a vida selvagem e o meio ambiente’“.

Assim, a gerente da Monsanto além de concordar com os princípios de danos aqui expostos, ainda orienta para que seja empregada a segunda regra/inverdade: “quando usado adequadamente não causa problemas”!

Algumas citações do artigo aqui criticado causam preocupações pelos erros crassos contidos. Induzir o leitor a pensar que “perigo é uma propriedade inerente aos elementos químicos”, associando que “vale para agrotóxicos, vale para medicamentos” e, finalmente, que “dependendo da exposição –e da dose– não causam riscos à saúde humana”, é de uma impropriedade exemplar.

Justifica-se!

Conceitualmente, os “elementos químicos” são naturais, descritos na tabela periódica e, de fato, presentes em proporções precisas nos organismos. “Medicamentos” são produtos formulados com propósitos terápicos, curativos e com “eficácia, segurança e qualidade comprovadas” (Anvisa). “Agrotóxicos”, absolutamente diferente dos anteriores, são moléculas sintéticas elaboradas com o propósito específicos de lesar células, ocasionando a morte de seres e não apresentam qualquer finalidade curativa! Muito pelo contrário!!!

Agrotóxicos, em qualquer quantidade, são prejudiciais à saúde humana, animal, vegetal e ao meio ambiente! Não é sem propósito que sua toxicidade e perigo são advertidos com o símbolo macabro da caveira e tíbias cruzadas!

Por quê?

Porque, entre muitos outros exemplos, sabe-se que o organismo humano tem seu funcionamento (homeostase) regulado por frações infinitesimais de hormônios.

Nesse sentido e como alerta importante, saiba o leitor que, em vários locais do Brasil, populações urbanas e rurais estão expostas a quantidades de agrotóxicos que são superiores aos volumes circulantes de seus próprios hormônios. Bebe-se água, come-se verduras e frutas com mais veneno do que temos de hormônios circulantes no nosso próprio corpo!

Economistas têm o hábito de dar preço ao que tem valor, usando lógicas e raciocínios absolutamente injustificáveis. Em muitos casos a precificação, de forma desumana e ignara, “transforma” alimentos em “comodities”; lavouras de eucaliptos em “florestas”; vegetação típica dos ambientes biológicos em “ervas invasoras”; mortes de pessoas em “problemas de dose”; insetos em “pragas”; valor de vidas perdidas em “custo dos agrotóxicos”.

Sempre respeitosamente, interpretamos o texto do Sr. Graziano como destituído de bom senso e essencialmente ideológico. Impossível não o classificar dessa forma quando, entre outros, cita; “existem problemas, sempre os há”, lembrando que “lá na roça, o rigor profissional exigido na aplicação dos agrotóxicos…” geraria “… intoxicações de trabalhadores rurais”. Termina o parágrafo perguntando de forma inacreditável: “Qual o tamanho do problema?

O tamanho do problema” é que se trata de vidas humanas, de respeito, solidariedade, amparo, compaixão! “O tamanho do problema” é que pessoas morrem, muitas em agonia, outras tiram a própria vida por conta de desequilíbrios emocionais advindos de agrotóxicos!

Em inúmeros casos as pulverizações destroem lavouras de vizinhos que são contrários ao uso de agrotóxicos, além de alcançarem, alhures, centros urbanos. Tal deslocamento aéreo, carreamento pela água ou transportados pelos mais diferentes meios, dão aos agrotóxicos uma dispersão, alcance, danos e infortúnios inimagináveis e incalculáveis.

Como asseverado, inúmeras publicações científicas comprovam os danos dos agrotóxicos. Têm-se registros mundiais de mães amamentando seus filhos com glifosato no leite; grande quantidade de abortos; depressões e suicídios; dispendiosas e desgastantes internações hospitalares; mortes por intoxicações agudas e crônicas; destruição de culturas regionais pela aplicação do modelo de “capitalismo agrário”; doenças nervosas debilitantes, como Alzheimer; cânceres em vários órgãos; erosão genética; malformações fetais; retardo mental infantil; graves desequilíbrios hormonais entre muitos e tantos outros.

Destaca-se, com relevância e extremada preocupação, que os principais prejudicados são as crianças, as quais, em muitos casos, carregam por toda uma vida teratologias, alergias e moléstias incuráveis. Também os jovens e as mulheres estão entre os mais afetados!

Manifestação da “Food and Agriculture Organization” (FAO), entidade ligada à ONU, cita: “O sistema de produção alimentar baseado nos sistemas agrícolas utilizando muitos inputs e recursos (Agrobusiness – citação nossa) teve um preço alto para o meio ambiente. O resultado foi que os solos, as florestas, a água, a qualidade do ar e a biodiversidade continuam a se degradar, enquanto o aumento da produção a qualquer preço não erradicou a fome”.

O emprego em volumes sempre crescentes e desmesurados destes agroquímicos demonstram sua inquestionável inutilidade para o que se propõem.

A agricultura familiar, com o desenvolvimento da agroecologia, precisa ser apoiada pelos Poderes institucionalizados, Executivo, Legislativo e Judiciário, assim como pelas universidades, centros de pesquisa e de apoio ao agricultor. Ela necessita de justas verbas para aqueles que protegem o meio ambiente e alimentam a população de forma saudável. Somente através de uma agricultura familiar esclarecida e humanizada é que teremos um futuro alimentar e ambiental mais seguro.

Por fim, mas não menos importante, destaca-se o extermínio global de abelhas, no qual os agrotóxicos têm um envolvimento inquestionável e importante.

Expressa-se, assim, nosso apoio, respeito e admiração pelo trabalho da professora Larissa Mies Bombardi.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s