A morte de uma terceira pessoa na vizinha Uganda reaviva o temor de uma propagação do vírus ebola.

Por RFI

Trabalhadores vestindo roupas de proteção enterram Agnes Mbambu, que morreu de ebola, a avó de 50 anos do menino de 5 anos que se tornou a primeira vítima transfronteiriça de Ebola, na aldeia de Karambi, perto da fronteira com o Congo, no oeste de Uganda quinta-feira, 13 de junho de 2019. Os dois faziam parte de uma família maior de congoleses-ugandenses que cruzaram para o Congo quando um de seus anciãos, um pastor, ficou doente com ebola e voltaram a Uganda em 9 de junho por uma trilha não patrulhada pelas autoridades de fronteira. 
(Foto AP / Ronald Kabuubi)

O novo surto de ebola que afeta em particular o leste da República Democrática do Congo e se alastrou a países vizinhos como Uganda , já provocou a morte de mais de duas mil pessoas, segundo estatísticas divulgadas pela Organização Mundial de Saúde. A epidemia foi declarada há um ano no leste congolês, onde é esperado domingo, o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres.

O número total de casos de ebola atinge os 3.004 , dos quais 2.899 confirmados e 105 prováveis. Na sexta-feira, as autoridades congolesas assinalaram a morte de 2.006 pessoas, como primeiro balanço da epidemia declarada no dia 1 de Agosto de 2018.

No decurso do combate a este décimo surto de ebola , que provoca a febre hemorrágica, e é o mais grave até a data na RDC, um número superior à 200.000 pessoas foram vacinadas .

De acordo com as autoridades competentes, a corrente epidemia é a segunda mais mortal, depois da que devastou a África Ocidental em 2014, provocando na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa, 11.000 mortos.

A morte de uma terceira pessoa na vizinha Uganda reaviva o temor de uma propagação da MVE( doença do vírus ebola ), além da província congolesa do Norte-Kivu, onde se registrou a maioria dos casos.

Sexta-feira, morreu no distrito de Kasese, na referida província, uma menina de 9 anos.

Desde que a epidemia foi declarada, os epicentros do ebola deslocaram-se entre as cidades de Mangina, Beni e Butembo.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres é aguardado domingo em Beni, por ocasião do segundo dia da sua visita à RDC, que tem início neste sábado em Goma.

Em 1976, foi identificado pela primeira vez o vírus ebola, na então República do Zaire, hoje, RDC ( República Democrática do Congo) .

http://pt.rfi.fr/20190830-novo-surto-de-ebola-mata-mais-de-2-mil-pessoas-na-rdc

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s