Fecomércio-RJ não comprova serviços advocatícios que consumiram 163 milhões de reais.

Por Claudio Dantas – O Antagonista

Resultado de imagem para foto:logotipo da fecomércio-RJ

Após a prisão de Orlando Diniz pela Lava Jato do Rio no ano passado, a Fecomércio-RJ sofreu processo de intervenção, com auditoria em dezenas de contratos e convênios suspeitos.

O relatório dessa auditoria, obtido em primeira mão por O Antagonista, aponta repasses superiores a R$ 162,9 milhões a escritórios de advocacia, sem “prova efetiva” da execução dos serviços.

Notificada, a Fecomércio chegou a apresentar notas fiscais, recibos e faturas. Entretanto, não conseguiu “atestar a vinculação dos serviços prestados às finalidades institucionais do Sesc-ARRJ”.

Além disso, “não foram apresentados os comprovantes de efetivos depósitos, cópia dos contratos e respectivos aditivos, bem como prova da efetiva execução dos serviços”.

Uma “derradeira notificação” foi expedida em vão à Fecomércio-RJ para que apresentasse documentação que corroborasse os serviços alegados.

Esse levantamento agora deverá ser incorporado às investigações da Lava Jato sobre os repasses suspeitos a grandes e médios escritórios de advocacia, alguns vinculados a familiares de desembargadores e ministros de tribunais superiores.

O Antagonista revelou no ano passado que o campeão em recursos da Fecomércio (R$ 68 milhões) na gestão de Diniz foi o escritório de Roberto Teixeira e Cristiano Zanin, advogados de Lula. Fernando Fernandes, que defende Paulo Okamotto, recebeu R$ 4,2 milhões.

A banca de Eduardo Martins, filho de Humberto Martins, atual corregedor nacional do CNJ, obteve R$ 25 milhões, enquanto outros R$ 12,8 milhões foram para a de Tiago Cedraz, filho do ministro do TCU Aroldo Cedraz.

Estão ainda na lista de contratados da Fecomércio os escritórios de Adriana Ancelmo, mulher de Sérgio Cabral, com R$ 20 milhões; Ana Basílio, mulher de desembargador do TRF-2, com R$ 13 milhões, e Paulo César Salomão Filho, sobrinho do ministro do STJ Luís Felipe Salomão, com R$ 4,8 milhões.

A Lava Jato também tem no radar outros escritórios de Brasília mais conhecidos por serviços de lobby.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s