Direitos Humanos é só uma capa para fundamentar ataques a governos desalinhados com a Nova Ordem Mundial e saquear suas riquezas.

Por Thierry Meyssan – Voltairenet.org

JPEG - 31,9 kb
Em 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral da ONU, reunida em Paris no Palais de Chaillot, adota a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Gradualmente, a humanidade formulou o ideal de igualdade da pessoa humana: os “Direitos do Homem”. Muitas nações afirmam tê-lo antecipado antes de ser sintetizado pelas Nações Unidas. Com o tempo, muitos usaram essa noção sem entendê-la em sua dimensão etnológica e a distorceram.

O acalorado debate de 19 de setembro de 2019 no Conselho de Segurança mostrou como os “direitos humanos” foram violados de maneira errada.

Em todo o mundo e em todos os momentos, os líderes tentaram afirmar que os homens são iguais em direitos. Os primeiros exemplos conhecidos são atestados pelo cilindro do imperador persa Ciro (século V aC) – uma réplica que adorna a sede das Nações Unidas – que representa a liberdade de culto; ou pelos decretos do imperador indiano Asoka (século 2 aC), que proibiam a tortura de todos os animais, inclusive humanos. Esses monarcas perturbaram as leis de seus países em nome de regras que julgavam universais.

Se alguém se refere à construção do direito moderno, a Magna Carta inglesa (século XIII) afirma que nenhum sujeito pode ser preso sem um julgamento justo. Em particular, é complementada pela Declaração de Direitos, que enumera no século XVII os direitos das pessoas e os do Parlamento. É nesse mesmo estado de espírito que James Madison escreveu, um século depois, a Declaração de Direitos dos Estados Unidos. Este último limita o poder do governo federal sozinho, mas não dos estados federais. A tradição anglo-saxônica afirma os direitos individuais e os protege contra a “razão de estado”.

A questão foi colocada de uma maneira radicalmente nova pela Assembléia Constituinte francesa, em 1789. Segundo ela, para afirmar a igualdade ontológica entre os súditos e seu soberano, não basta limitar o poder absoluto do monarca, ele afirmou. Deve-se afirmar que o poder vem do povo e não pode ser exercido contra ele. Este texto foi aprovado por unanimidade, inclusive pelos representantes da Igreja da França (mas posteriormente foi rejeitado pelo papado), pelos da nobreza e pelo rei Luís XVI. Não se trata mais de “direitos humanos”, mas de “direitos humanos e de cidadãos”.

O suíço Henry Dunant tentou proteger, no século XIX, os direitos dos homens envolvidos em guerras, quando os estados violavam suas próprias regras. Era direito humanitário.

É esse conjunto de diferentes culturas, e muitas outras, que as Nações Unidas sintetizaram em sua Declaração Universal dos Direitos Humanos . É “universal”, não porque desejado por Deus ou pela Natureza, mas apenas porque compartilhado pelos 193 Estados-Membros.

Em primeiro lugar, afirma que todos os seres humanos nascem “livres e iguais em dignidade e direitos” e que são responsáveis ​​não apenas por si mesmos, mas um pelo outro (artigo 1). Pela primeira vez, ela diz que os direitos dos homens não são apenas idênticos em cada país, mas apesar de seu país (artigo 2); o que a Liga das Nações se recusara a fazer para proteger o sistema colonial. E, finalmente, que existe uma hierarquia entre esses direitos, dos quais os mais importantes são “vida, liberdade e segurança” (artigo 3); pois não se trata de estabelecer um catálogo de boas intenções contraditórias, mas de organizar a sociedade mundial. Depois vem a luta contra a escravidão (artigo 4) e somente então a luta contra a tortura (artigo 5). Todos esses princípios são importantes,

Hoje, nos países desenvolvidos, em paz e livres da escravidão, pensamos nos direitos humanos apenas como uma luta contra a tortura e por justiça justa. É um luxo que muitos outros homens não têm.

Desde a sua assinatura, este edifício foi desafiado por aqueles que o desenvolveram, particularmente pelo Reino Unido e sua “interferência humanitária”. O Império Britânico inventou esse conceito no século XIX, não para ajudar populações oprimidas, mas para derrotar o Império Otomano. Ele tomou durante a Guerra Fria a luta contra a China e a URSS. A história queria que fosse usada pelo francês Bernard Kouchner, instrumentando o destino do pessoal do barco. Ele organizou o resgate de refugiados vagando em barcos superlotados, sem hesitar em rejeitar esses homens no mar para “fazer uma pegadinha” na frente das câmeras. A emoção provocada por essas imagens automaticamente despertou empatia por elas. Mas o destino horrível dessas vítimas não nos disse nada sobre a suposta precisão de sua luta, muito menos sobre a suposta ilegitimidade de seus governos. É essa mesma técnica que é usada hoje para comunicar o destino dos migrantes no Mediterrâneo. O terrível afogamento de milhares deles não nos diz nada sobre as causas de sua partida e não valida seu direito de entrar nos outros. Talvez eles estejam certos, talvez errados. Somente reflexão e não emoção podem dizê-lo.

A iniciativa humanitária da Alemanha, Bélgica e Kuwait para Idleb

Vamos ao debate do Conselho de Segurança de 19 de setembro de 2019. Alemanha, Bélgica e Kuwait apresentaram um projeto de resolução (S / 2019/756) para salvar civis na província de Idleb, massacrados pelas forças armadas Sírios e russos que lutam indiscriminadamente contra o terrorismo. Este documento foi precedido por uma intensa campanha sobre o bombardeio de hospitais e as difíceis condições de vida de civis hostis ao regime do cruel ditador “Bachar”.

É claro que, como resultado da verificação, nunca houve hospitais devidamente registrados que foram bombardeados; que é impossível estabelecer estatísticas em um campo de batalha, para que todos pretendam extrapolar suas próprias figuras diversas e contraditórias, incluindo as várias agências da ONU. No entanto, o fato de que nesta guerra não podemos quantificar eventos sacode a maneira como os interpretamos.

Projetos de resolução semelhantes foram apresentados pelos ocidentais durante as batalhas de Alepo e Ghouta de Damasco. Eles entraram em conflito com os vetos da China e da Federação Russa. No entanto, nenhum projeto foi apresentado durante a batalha de Raqqa, que era infinitamente mais destrutiva e mortal. A única diferença é que Raqqa foi arrasado pela Coalizão Ocidental e não pelos exércitos sírio-russo. Em outras palavras, se o destino das vítimas for tão trágico nos quatro casos, ele só é culpado de acordo com a Alemanha, a Bélgica e o Kuwait quando é atribuível aos siro-russos, não quando é o fato dos ocidentais.

Note-se que os militares no terreno observaram a cegueira da Coalizão Ocidental em que estavam lutando e a compararam à seletividade das forças sírio-russas. É por relatar essas atrocidades ao inspetor-geral do Pentágono que 50 analistas do CentCom foram sancionados. Foi por reportar na National Defense Review sua vergonha e raiva que o coronel francês François-Régis Legrier foi severamente punido.

A ideia da Alemanha, Bélgica e Kuwait de que o “regime Bashar” mataria seu próprio povo sob o pretexto de combater o terrorismo derruba o ideal de “direitos humanos”. De fato, quando falamos aqui sobre a luta contra o terrorismo, não nos referimos a alguns indivíduos massacrando o Kalashnikov ou decapitando os espectadores de uma sala de concertos, mas dezenas de milhares de combatentes correndo para a população por sua causa. impor um regime de opressão. O primeiro dever do “regime Bashar” é salvar sua população desse exército feroz, restabelecer sua causa “vida, liberdade e segurança”.

Mesmo se negarmos o apoio europeu aos jihadistas de Idlib, a Alemanha e a Bélgica não podem reivindicar boa fé: eles se recusam a repatriar centenas de seus nacionais praticando a jihad, que se renderam às forças estatais e agora são prisioneiros dos curdos. Portanto, eles estão perfeitamente conscientes de sua periculosidade. Eles podem se orgulhar da negação da pena de morte em casa, quando pedem discretamente a outros governos que os pendurem em seu lugar.

A hipocrisia humanitária da Alemanha, Bélgica e Kuwait

Tendo observado a dupla língua da Alemanha, Bélgica e Kuwait, observemos as razões ocultas de seu projeto de resolução. Os ocidentais apoiaram os jihadistas da Al Qaeda na esperança de derrubar a República Árabe da Síria. Foi uma extensão da estratégia que os sucedeu na Líbia. Em 2011, os jihadistas do Grupo Islâmico de Combate na Líbia (GICL), que haviam sido integrados à Al Qaeda, foram escoltados pela CIA do Iraque – onde estavam lutando – para a Líbia, seu país de origem. Eles forneceram tropas terrestres para a operação aérea da OTAN. Em seguida, foram transportados pelo Alto Comissário para Refugiados (então chefiado pelo atual Secretário Geral da ONU, Antonio Guterres) e pelos serviços secretos turcos para a Síria, onde formaram o Exército Sírio Livre. Quando se provou impossível derrubar o “regime bashar”, os anglo-saxões derrubaram a maioria dos jihadistas, mas os alemães e franceses sentiram uma responsabilidade por eles. Eles foram reagrupados na província de Idleb, onde criaram vários Emirados Islâmicos. A Alemanha e a França continuam a armá-los e ainda subsidiam as ONGs que os alimentam hoje.

A Alemanha e a França são, portanto, partes da guerra que denunciam. Acontece que o presidente Emmanuel Macron, buscando pacificar as relações de Paris com Moscou, não assinou o projeto de resolução alemão, mas pediu ao fiel Charles Michel que o fizesse em nome da Bélgica. O Kuwait foi adicionado sem saber quanto está gastando agora com os jihadistas de Idlib, mas as demonstrações de apoio naquele país são um lembrete de quanto os movimentos salafistas arrecadaram US $ 400 milhões pela jihad. na Síria.

Ao apresentar este projeto de resolução, a Alemanha, a Bélgica e o Kuwait sabiam que isso provocaria a fúria da China e da Rússia. No entanto, eles escolheram dividir o Conselho de Segurança e, assim, enfraquecer sua autoridade. Esse comportamento é explicado pelo medo de ver evoluir as linhas de decote, sob a liderança do presidente Trump. Na oposição tradicional do Ocidente contra a Rússia e a China, poderia substituir um quadro mundial Rússia / EUA / China. A Alemanha está tentando mobilizar o campo ocidental, que teve sucesso, mas a que custo. Continuando seu ímpeto, Alemanha, Bélgica e Kuwait apreenderam a Assembléia Geral para contornar os vetos do Conselho de Segurança. Eles apresentaram um novo projeto de resolução de 10 páginas (A / HRC / 42 / L.22) condenando a República Árabe da Síria.

Eles não hesitaram em fazê-lo quando não têm mais a desculpa da libertação de Idleb pelas tropas sírias, pois os combates cessaram desde a proclamação de um cessar-fogo unilateral por Damasco em 1 de setembro às 00:00 h. O “regime Bashar” parou para facilitar a fuga de seus cidadãos presos pelo jihadista ocupante.

Aliás, a representante dos Estados Unidos, Kelly Knight Craft, tem o luxo de acusar a China de usar seu veto imitando a Rússia (S / PV.8623); um insulto inútil quando sabemos que a paciente vontade de Pequim tem uma política externa independente e decisiva. Esse processo é mais uma vez uma maneira de o campo ocidental negar a igualdade dos povos e manifestar sua suposta superioridade.

Bashar al-Assad, defensor dos direitos humanos

Agora, vejamos o ponto de vista sírio. Segundo a imprensa internacional, uma revolução popular teria começado em 2011 na Síria, e infelizmente teria dado errado ao se transformar em uma guerra civil. Se pudéssemos acreditar nessa versão dos eventos em 2011, não podemos mais hoje em vista dos muitos documentos que surgiram. Essa guerra foi planejada por Washington desde 2001 e começou no contexto da “Primavera Árabe”, planejada por Londres em 2004 no modelo da “Grande Revolta Árabe” Lawrence da Arábia. A Arábia Saudita admitiu ter pago e armado antecipadamente os manifestantes de Deraa que lançaram o movimento.

A primeira responsabilidade da República Árabe da Síria, seu povo, seu exército e seu presidente, Bashar al-Assad, foi defender os direitos humanos universais da “vida, liberdade e segurança”. Foi o que fizeram as hordas de jihadistas de todo o mundo para colocar a Irmandade Muçulmana no poder.

Não há dúvida de que os criminosos conseguiram se juntar à polícia e ao exército da República; que, na confusão da guerra, eles foram capazes de perseguir seus crimes usando o uniforme; mas esses comportamentos, encontrados em todas as guerras, nada têm a ver com essas guerras. Desde que o destino das armas se inverteu, elas são severamente punidas.

Não há dúvida de que o bombardeio da artilharia síria e da força aérea russa não apenas matou alvos jihadistas, mas também cidadãos sírios colaterais mantidos reféns por jihadistas. Infelizmente, matar o próprio povo é o fardo de todas as guerras. Seu martírio não está no povo sírio, seu exército e seu presidente que choram. É da responsabilidade dos agressores, incluindo a Alemanha e a França, que a desejaram.

A Líbia não é comparável à Síria. Porém, oito anos após a operação da OTAN, temos uma visão mais clara do que aconteceu.

Muammar Kadafi reconciliou os bantus e os árabes, pôs fim à escravidão e elevou consideravelmente o padrão de vida de seu povo. Ele é descrito como um ditador, embora não tenha matado mais opositores políticos do que chefes de estado ou de governo ocidentais. Para derrubar o Jamahiriya, a OTAN confiou nos combatentes da Al-Qaeda, na tribo Misrata e na Irmandade dos Saoussis. Ela matou cerca de 120.000 pessoas. Muitos analistas previram o seguinte: o padrão de vida entrou em colapso, a escravidão foi restaurada, o conflito entre árabes e bantus se espalhou pela África subsaariana. Sem dúvida razoável, Muammar Gaddafi defendeu os direitos humanos em seu país e em seu continente mais do que a OTAN.

Na Síria, Bashar al-Assad preservou o mosaico confessional que não existe em nenhum outro lugar do mundo, desenvolveu sua economia e negociou uma paz tácita com Israel. Seu povo e seu exército consentiram no martírio de pelo menos 350.000 deles. Seu país está agora devastado e Israel se tornou um inimigo novamente. A responsabilidade por esses infortúnios cabe exclusivamente aos Estados agressores. Os sírios, seu exército e seu presidente, Bashar al-Assad, defenderam os direitos humanos o quanto puderam, que os ocidentais pisotearam.

Os ocidentais estão convencidos da superioridade moral de sua civilização. Eles não veem seus próprios crimes, que outros enfrentam. É precisamente essa arrogância que é contestada pela Declaração Universal dos Direitos Humanos , colocando o direito de todos à igualdade e dignidade.

https://www.voltairenet.org/article207732.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s