Brasil fecha 47 barragens de mineração consideradas inseguras.

Por Cecília Jamasmie – Mining.com

Brasil fecha 47 barragens de mineração consideradas inseguras
Barragem da mina Corrego do Feijão da Vale, que desabou em janeiro de 2019, matando cerca de 270 pessoas. 
(Imagem: Captura de tela do vídeo da BBC News )

O Brasil ordenou o fechamento imediato de 47 barragens de mineração que não atestaram sua estabilidade, com mais da metade delas pertencentes à Vale (NYSE: VALE), cujo rejeito da mina de minério de ferro Córrego do Feijão sofreu um fracasso catastrófico em janeiro do ano passado, matando pelo menos 270 pessoas.

O incidente mortal, o segundo colapso de uma barragem em uma mina da Vale em menos de quatro anos, levou a sérias paradas de produção, promessas da empresa de reconstruir ou descomissionar muitas de suas outras instalações de armazenamento de resíduos e a demissão de vários executivos.

Os regulamentos divulgados em agosto exigiram que a Vale, que perdeu a posição de maior produtora de ferro do mundo para a Rio Tinto no início deste ano, “descaracterizasse” ou modificasse alguns pequenos diques internos em nove barragens semelhantes a essa que explodiu em janeiro de 2019.

As novas diretrizes também forçaram a descaracterização de algumas estruturas de estacas drenadas de propriedade da Vale, que são um tipo diferente de barragem de rejeitos comumente usada. 

O processo de descaracterização faz parte da última fase do descomissionamento de uma barragem. Refere-se ao tratamento de uma estrutura para que não apresente características da barragem e possa ser reincorporada ao meio ambiente.

Em outubro, 54 barragens brasileiras não tinham certificado sua estabilidade ou não apresentavam a documentação necessária. Muitas dessas estruturas estão fechadas hoje, mas a lista também inclui outras operadas pela Vale ou por suas afiliadas. Isso eleva o número da empresa a pelo menos 25 barragens inativas.

No início desta semana, a gigante do minério de ferro disse em um arquivo à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que três de suas barragens estavam em maior risco de colapso.

As barragens no Brasil são rotuladas com níveis de risco, variando de 1 a 3, nos quais o nível 3 indica que uma estrutura provavelmente entrará em colapso.

A Vale disse que as barragens com níveis de risco aumentados de 1 para 2 incluem a barragem B3 / B4 na mina Mar Azul, a represa Doutor na mina Timbopeba e a represa Sul Inferior na mina Gongo Soco. Os níveis de risco das barragens aumentaram durante o período de setembro de 2019 a março de 2020, disse a Vale.

A notícia deu aos produtores australianos de minério de ferro um impulso muito necessário. As ações da BHP (ASX, LON, NYSE: BHP) subiram 5% na sexta-feira, enquanto a rival Rio Tinto subiu 4,3% em quase um mês. As ações da Fortescue Metals, a quarta maior mineradora de minério de ferro do mundo, subiram 8,6%, que mais tarde perderam alguns dos ganhos, fechando 5,7% .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s