Profissionais da saúde enfrentam hostilidade na América Latina. Tratados como animais imundos.

Por Revista VEJA

Profissionais da saúde enfrentam hostilidade na América Latina | VEJA

Enfermeiros representam 80% da equipe nos hospitais públicos da região: `É Covid-19. Fique longe de nós’ – 19/03/2020 Sebastien Bozon/AFP

Apesar de desempenharem um papel fundamental no combate à pandemia de coronavírus, alguns profissionais da saúde, celebrados pelo papa Francisco como “heróis de guerra”, vêm sendo tratados com hostilidade em países da América Latina. É o que mostra reportagem da agência Reuters publicada nesta quarta-feira, 15, com relatos de funcionários de hospitais agredidos física e verbalmente.

Sandra Aleman, uma enfermeira da cidade de San Luis Potosi, no centro do México, contou ter sido vítima de ataque de um grupo de crianças, que atiraram suco e refrigerante em seu uniforme branco, gritando “É Covid-19. Fique longe de nós!” Em seguida, ela foi atingida no rosto por uma mulher, que acredita ser a mãe dos garotos, e caiu no chão.

“Tentando me defender por usar orgulhosamente meu uniforme branco, quebrei dois dedos na minha mão direita. Não posso mais fazer meu trabalho ”, disse ela, que na verdade não havia tratado de nenhum paciente com coronavírus. Outros incidentes semelhantes foram registrados no México, o que levou o presidente Andrés Manuel Lopez Obrador, a se manifestar. “Peço respeitosamente a toda a população para cuidar dos trabalhadores da saúde, respeitá-los, amá-los.”

Em Bogotá, capital da Colômbia, o anestesiologista Santiago Osorio, 36, disse que não pode mais usar elevadores ou áreas comuns em seu apartamento sob ordens da administração do edifício, que teme que ele possa infectar os vizinhos. “Eu tenho que subir os seis andares por escadas para chegar em casa.”

Maria Jose Colina, médica e porta-voz da Rede Integral de Médicos da Argentina, contou à Reuters que vários colegas receberam mensagens e comentários agressivos, incluindo ameaças, mesmo em suas casas. O obstetra Leandro Goñi disse que os vizinhos perto de seu escritório em Buenos Aires disseram que ele deveria fechar porque sua prática os colocava em risco. Ele respondeu com uma carta descrevendo as medidas de precaução que havia tomado, incluindo apenas receber mulheres próximas de dar à luz.

Em algumas partes do Panamá e do Chile, os motoristas baniram as enfermeiras do transporte público. Nas áreas onde eles permitem, outros passageiros costumam olhar feio e se afastar, dizem grupos médicos. Profissionais do setor acreditam que muitos outros incidentes acontecem em todo o mundo, mas não são relatados por medo de retaliação.

A reportagem informa que enfermeiros representam 80% da equipe nos hospitais públicos da América Latina e são, portanto, indispensáveis na resposta à pandemia que já infectou mais de 2 milhões de pessoas em todo o mundo.

Sandra Aleman, uma enfermeira da cidade de San Luis Potosi, no centro do México, contou ter sido vítima de ataque de um grupo de crianças, que atirou suco e refrigerante em seu uniforme branco, gritando “É Covid-19. Fique longe de nós!” Em seguida, ela foi atingida no rosto por uma mulher, que acredita ser a mãe dos garotos, e caiu no chão.

“Tentando me defender por usar orgulhosamente meu uniforme branco, quebrei dois dedos da minha mão direita. Não posso mais fazer meu trabalho ”, disse ela, que não havia tratado de nenhum paciente com coronavírus. Outros incidentes semelhantes foram registrados no México, o que levou o presidente Andrés Manuel Lopez Obrador, a se manifestar. “Peço respeitosamente a toda a população para cuidar dos trabalhadores da saúde, respeitá-los, amá-los.”

Em Bogotá, capital da Colômbia, o anestesiologista Santiago Osorio, 36, disse que não pode mais usar elevadores ou áreas comuns em seu apartamento sob ordens da administração do edifício, que teme que ele possa infectar os vizinhos. “Eu tenho que subir os seis andares por escadas para chegar em casa.”

Maria Jose Colina, médica e porta-voz da Rede Integral de Médicos da Argentina, contou à Reuters que vários colegas receberam mensagens e comentários agressivos, incluindo ameaças, mesmo em suas casas. O obstetra Leandro Goñi disse que os vizinhos de seu consultório em Buenos Aires disseram que ele deveria fecha-lo porque sua prática os colocava em risco. Ele respondeu com uma carta descrevendo as medidas de precaução que havia tomado, incluindo apenas receber mulheres próximas a dar à luz.

Em algumas partes do Panamá e do Chile, motoristas baniram as enfermeiras do transporte público. Nas áreas onde eles permitem, outros passageiros costumam olhar feio e se afastar, dizem grupos médicos. Profissionais do setor acreditam que muitos outros incidentes acontecem em todo o mundo, mas não são relatados por medo de retaliação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s