Na fronteira com a Guiana Francesa, o lado brasileiro está uma mãe para o coronavírus.

Por Leandro Mazzini – Jornal de Brasília

Falta de documentos e desentendimentos impedem a ponte de funcionar (Foto: Gerardo Lissardy/ BBC)
 (Foto: Gerardo Lissardy/ BBC)

Enquanto as tropas do Exército se esforçam em manter vigília na fronteira com a Venezuela – maior trânsito diário de imigrantes – no Amapá a situação é pior. A ponte que liga Oiapóque ao município de São Jorge, na Guiana Francesa, está totalmente liberada do lado brasileiro.

No País vizinho, há aduana com mais de 100 agentes e policiais em revezamento, câmara frigorífica para transbordo e fiscalização fitossanitária. Do lado brasileiro, guaritas com poucos fiscais. Os brasileiros que atravessam são examinados e devem mostrar visto.

Para quem entra no Amapá, não há visto nem revista, tanto em veículos quanto a pé. Dos contaminados por coronavírus no Estado brasileiro, como publicamos, 19 vieram da Guiana Francesa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s