Facebook lançará 37.000 km de cabos submarinos circundando toda a África.

Por Manlio Dinucci

JPEG - 25,1 kb

Muitas indústrias e empresas de serviços estão em processo de falência ou redimensionamento devido ao bloqueio e à crise que se seguiu. Alguns, no entanto, aproveitaram tudo isso. Facebook, Google (proprietário do YouTube), Microsoft, Apple e Amazon – escreve o New York Times – “estão fazendo novas apostas agressivamente, porque a pandemia de coronavírus os tornou serviços quase essenciais”.

Todos esses gigantes da tecnologia são dos Estados Unidos. Facebook – não mais definido como uma rede social, mas como um ecossistema, que também inclui WhatsApp, Instagram e Messenger – ultrapassou 3 bilhões de usuários mensais. Portanto, não ficaremos surpresos se, no meio da crise do coronavírus, o Facebook lançar o projeto de uma das maiores redes de cabos submarinos, a 2Africa: 37.000 km de comprimento (quase a maior circunferência da Terra) , cercará todo o continente africano, conectando-o ao norte da Europa e ao leste do Oriente Médio. 

Os países interconectados terão inicialmente 23 anos. Partindo da Grã-Bretanha, a rede ligará Portugal antes de iniciar seu círculo na África através do Senegal, Costa do Marfim, Gana, Nigéria, Gabão, República do Congo, República Democrática do Congo, África do Sul, Moçambique, Madagascar, Tanzânia, Quênia, Somália, Djibuti, Sudão e Egito. Nesta última seção, a rede será vinculada a Omã e Arábia Saudita. Então, através do Mediterrâneo, chegará à Itália e dali para França e Espanha.

Essa rede de alta capacidade – explica o Facebook – será “a espinha dorsal de uma enorme expansão da Internet na África: as economias florescerão quando você tiver uma Internet amplamente acessível para as empresas. A rede permitirá que centenas de milhões de pessoas acessem banda larga de até 5G ”. Em suma, essa é a motivação oficial do projeto. Um dado é suficiente para duvidar: na África Subsaariana, cerca de 600 milhões de pessoas, equivalentes a mais da metade da população, não têm acesso à eletricidade.

Para que a rede de banda larga será usada? Para vincular mais estreitamente às empresas-mãe das multinacionais às elites africanas que representam seus interesses nos países mais ricos em matérias-primas, enquanto o confronto com a China está aumentando, o que está fortalecendo sua presença econômica na África.

A rede também servirá a outros propósitos. Há dois anos, em maio de 2018, o Facebook fez uma parceria com o Conselho Atlântico(Atlantic Council), influente “organização não partidária”, com sede em Washington, que “promove a liderança e o envolvimento dos EUA no mundo, com seus aliados”. O objetivo específico da parceria é garantir “o uso correto do Facebook nas eleições em todo o mundo, monitorando a desinformação e a interferência estrangeira, ajudando a educar os cidadãos e a sociedade civil”. A confiabilidade do Conselho Atlântico, que é particularmente ativa na África, pode ser deduzida da lista oficial de doadores que o financiam: o Pentágono e a Otan, a Lockheed Martin e outras indústrias de guerra (incluindo a Itália), ExxonMobil e outras multinacionais, Bank of America e outros grupos financeiros, as Fundações Rockefeller e Soros.

A rede, que ligará 16 países africanos a 5 aliados europeus da OTAN sob comando dos EUA e 2 aliados dos EUA no Oriente Médio, poderá desempenhar um papel não apenas econômico, mas também político e estratégico.

O “Laboratório de Pesquisa Digital Jurídica” do Conselho Atlântico, através do Facebook, poderá comunicar diariamente à mídia e aos políticos africanos quais informações são “falsas” e quais outras são “verdadeiras”. 

As informações pessoais e os sistemas de rastreamento do Facebook podem ser usados ​​para controlar e atacar os movimentos da oposição. A banda larga, incluindo 5G, poderia ser usada por forças especiais dos EUA e outros em suas operações na África.

Ao anunciar o projeto, o Facebook destaca que a África é “o continente menos conectado” e que o problema será resolvido pelos seus 37.000 km de cabos. Eles poderiam ser usados, no entanto, como uma versão moderna das antigas cadeias coloniais.

Na verdade, é a conquista acelerada da China em todo o continente.

https://www.voltairenet.org/article210236.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s