“O Covid acabou na Suécia.” Palavras de um médico sueco, Sebastian Rushworth.

Por Dennis Prager

Bandeira Da Suécia Banco de Imagens e Fotos de Stock - iStock

Há quatro meses, escrevi um artigo intitulado “O lockdown mundial pode ser o maior erro da história”. Expliquei que “‘erro’ e ‘mal’ não são sinônimos. O bloqueio é um erro; o Holocausto, a escravidão, o comunismo, o fascismo, etc., foram males. Erros monumentais são cometidos por tolos arrogantes; males gigantescos, por pessoas más.”

Com relação à catástrofe econômica nos EUA e em todo o mundo – especialmente entre os países pobres cujas rendas dependem da América e de outros países do Primeiro Mundo por meio de exportações e turismo, escrevi: “É o pânico e a histeria, e não o coronavírus , que criaram essa catástrofe.”

Infelizmente, eu estava certo.

O mundo deveria ter seguido o exemplo da Suécia. Esse país nunca fez lockdown e manteve até mesmo crianças menores de 16 anos na escola por todo esse período. Como informou a Reuters em 15 de julho, o número de crianças suecas entre 1 e 19 anos de idade que morreram de COVID-19 é zero. E a porcentagem de crianças que contraíram a doença foi exatamente a mesma na Suécia e na Finlândia, que fechou suas escolas.

No que tange aos professores, a Agência de Saúde Pública da Suécia relatou que “uma comparação da incidência de COVID-19 em diferentes profissões não sugeriu que havia risco maior aos educadores”. No entanto, com poucas exceções, professores em Los Angeles e em outros lugares se recusam a entrar numa sala de aula com alunos dentro. Seu desdém por sua profissão foi superado apenas pelo sindicato de professores de Los Angeles, que anunciou que os professores não retomarão o ensino até que a polícia não receba mais financiamento algum. O que isso tem a ver com o coronavírus?

Pessoas que defendem bloqueios e fechamento de escolas afirmam que a Suécia tem a oitava maior taxa de mortalidade por milhão no mundo ocidental. Mas, desnecessário dizer, isso não tem qualquer peso sobre a questão de saber se a Suécia estava certa em manter as escolas abertas ou se nosso país estava errado em fechá-las, e muito menos quanto a mantê-las fechadas agora. A esmagadora maioria das mortes por COVID-19 na Suécia ocorreu entre pessoas com mais de 70 anos, das quais a maioria tinha mais de 80 e o sistema imunológico comprometido.

A Reuters relatou que três estudos separados, incluindo um da UNICEF, “mostraram que as crianças suecas se saíram melhor do que as crianças de outros países durante a pandemia, tanto em termos de educação quanto de saúde mental”.

Por mais de um mês, a Suécia quase não teve mortes por COVID-19, enquanto toda a sociedade permanece aberta e quase ninguém usa máscaras. (Na Holanda, também, quase ninguém usa máscaras.) Para todos os efeitos, o vírus acabou na Suécia.

Moro na Califórnia, um estado governado pelo mais perigoso dos líderes: um tolo com poder ilimitado. Apesar do fato de a Califórnia ocupar o 28º lugar entre os 50 estados em mortes por milhão, o governador Gavin Newsom destruiu e continua destruindo dezenas de milhares de pequenas empresas e incontáveis ​​meios de subsistência. O fato de ele continuar proibindo – meio ano após o início da crise do Covid – refeições dentros dos restaurantes, acarretará, segundo se prevê, na falência de 1 a cada 3 restaurantes no estado, aproximadamente. A mesma destruição catastrófica provavelmente afetará o varejo e serviços, como salões de cabeleireiro e manicure. Mas toda essa tragédia humana – para não mencionar o aumento da depressão e suicídios entre os jovens e o aumento do abuso de crianças e parceiros – não significa nada para Newsom, para o prefeito de Los Angeles, Eric Garcetti ou para o Los Angeles Times, cujos editores e colunistas continuam a defender o lockdown enquanto recebem seus salários.

Por que as pessoas podem comer sem máscara em um avião – a centímetros de estranhos, não a um metro e oitenta – mas não podem comer em um restaurante na Califórnia, que é muito maior do que o interior de um avião, sentadas a dois metros de distância da outras? Porque Newson ordenou, o Los Angeles Times dá apoio, e, como ovelhas, os californianos aceitam isso.

Em 3 de agosto, o The Wall Street Journal publicou: “Em março … Houve amplo apoio público aos objetivos prudentes de evitar que os hospitais ficassem sobrecarregados e de ganhar tempo para os cientistas desenvolverem terapias”. Mas a esquerda – a mídia e os governadores e prefeitos democratas – imediatamente mudaram as balizas para “dobrar a curva” e “salvar uma vida”, permitindo-lhes escapar impunes por destruir vidas e meios de subsistência.

Concluo com as palavras de um médico sueco, Sebastian Rushworth:

“O Covid acabou na Suécia. As pessoas voltaram às suas vidas normais e quase ninguém está sendo infectado. Aposto que os países que fecharam completamente verão aumento nos números de casos quando abrirem. Se esse for o caso, então, em primeiro lugar, não faria o lockdown. (…) Fechar tudo completamente para diminuir o número total de mortes só faz sentido se vocês estiverem dispostos a ficarem sob lockdown até que uma vacina esteja disponível. Isso pode levar anos. Nenhum país está disposto a esperar tanto tempo. “

O lockdown é um crime. E o mais perturbador ainda é o fato de que ele é apoiado por tantos americanos.

O país está irreconhecível para aqueles de nós que sobreviveram à epidemia de 1968-70, que matou, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, aproximadamente 100 mil americanos – o equivalente em 2020 a 170 mil americanos. Nenhum estabelecimento fechou. Nenhuma máscara foi usada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s