Corretores de dinheiro chineses estão lavando dinheiro de drogas na América Latina.

Por Drazen Jorgic – Reportagem adicional de Diego Ore, Lizbeth Diaz, Abraham Gonzalez e Frank Jack Daniel na Cidade do México; Julia Love em Nova York; Repórteres da Reuters em Pequim; Steve Scherer em Ottawa; Matt Spetalnick em Washington; Edição de Frank Jack Daniel e Marla Dickerson / editado por Cimberley Cáspio

G1 > Mundo - NOTÍCIAS - Exército apreende US$ 26,2 milhões em dinheiro vivo  de cartel mexicano
Pacotes de dinheiro apreendidos são exibidos para a mídia na Cidade do México em 18 de setembro de 2008. REUTERS / Stringer / Foto de arquivo

GUADALAJARA (Reuters) – Autoridades policiais dos EUA disseram à Reuters que os “corretores de dinheiro” chineses representam uma das novas ameaças mais preocupantes em sua guerra contra as drogas. Eles dizem que pequenas células de criminosos chineses mudaram a forma como o dinheiro dos narcóticos é lavado e estão deslocando os homens do dinheiro mexicanos e colombianos que há muito dominam o comércio.

Praticamente inédito uma década atrás, esses jogadores chineses estão movimentando grandes somas de forma rápida e silenciosa, disseram as autoridades. Sua especialidade: encaminhar os lucros do cartel dos Estados Unidos para a China e depois para o México com alguns cliques de um telefone portátil e aplicativos bancários chineses – e sem o dinheiro volumoso jamais cruzando as fronteiras. Os lavadores pagam a pequenas empresas de propriedade de chineses nos Estados Unidos e no México para ajudá-los a movimentar os fundos. A maior parte do contato com o sistema bancário acontece na China, um verdadeiro buraco negro para as autoridades americanas e mexicanas.

Corretores de dinheiro chineses baseados no México “passaram a dominar os mercados internacionais de lavagem de dinheiro”, disseram promotores americanos .

A Reuters conversou com mais de uma dúzia de policiais, diplomatas, advogados e fontes familiarizadas com as técnicas chinesas de lavagem de dinheiro. A organização de notícias também examinou mais de 1.500 páginas de documentos. O material incluía detalhes não relatados anteriormente sobre como o anel operava, compilados por promotores e agentes da Homeland Security Investigations, o braço investigativo do Departamento de Segurança Interna dos EUA que liderou a investigação.

O que surgiu foi um plano mostrando como alguns grupos de corretores de dinheiro chineses se tornaram as engrenagens-chave dos impérios multibilionários das drogas administrados por cartéis latino-americanos. O papel chinês representa um desafio formidável para os esforços antinarcóticos dos EUA em um momento de tensões crescentes entre Pequim e Washington.

Com sede em Guadalajara, acredita-se que a quadrilha tenha trabalhado com vários sindicatos, incluindo o famoso Cartel de Sinaloa, anteriormente liderado pelo chefão das drogas mexicano Joaquin “El Chapo” Guzman, de acordo com duas fontes americanas familiarizadas com a investigação.

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos e a Europol, o braço policial da União Europeia, alertaram sobre a expansão da rede de grupos criminosos chineses lavando dinheiro das drogas. A Europol, em novembro de 2019, disse que esses grupos representam uma “ameaça crescente para a Europa”, enquanto o Tesouro dos EUA em fevereiro colocou as redes profissionais chinesas de lavagem de dinheiro em sua lista de “principais ameaças” e vulnerabilidades dentro do sistema financeiro dos EUA.

A aplicação da lei dos EUA intensificou as operações contra esses grupos. Promotores federais apresentaram acusações na Virgínia e no Oregon contra supostos membros de pelo menos duas outras quadrilhas chinesas de lavagem de dinheiro desde outubro do ano passado. Esses casos estão pendentes.

Ainda assim, um agente sênior da Agência Antidrogas dos Estados Unidos (DEA) disse que os esforços dos EUA para prender os chefões do tráfico na América Latina seguindo o dinheiro ficaram muito mais difíceis.

“Não consigo enfatizar isso o suficiente, o envolvimento dos chineses realmente complicou todos esses esquemas”, disse o funcionário da DEA.

TENSÕES EUA-CHINA

Autoridades americanas buscaram informalmente ajuda da China, mas não receberam apoio em sua investigação, de acordo com duas fontes americanas familiarizadas com a investigação.

O Ministério das Relações Exteriores da China contestou sua conta. O ministério disse à Reuters no final de outubro que não recebeu um pedido de ajuda das autoridades norte-americanas. A China está pronta para cooperar com os Estados Unidos para “destruir cartéis de drogas e redes de lavagem de dinheiro relacionadas às drogas”, disse o ministério em um comunicado. Mas enfatizou a necessidade de os dois países trabalharem com base no “princípio de respeito mútuo pelas leis, igualdade e benefício mútuo”, disse o comunicado.

O ministério disse que a maioria dos correntistas chineses sobre os quais Washington questionou como parte de suas investigações de lavagem de dinheiro nos últimos anos eram “empresas e indivíduos legítimos” na China. “Depois de pedirmos ao lado americano que fornecesse pistas ou evidências relacionadas com as drogas de empresas e indivíduos, o lado americano não respondeu”, disse o Ministério das Relações Exteriores da China em comunicado.

Sem a ajuda de Pequim para rastrear o fluxo de dinheiro na China e se infiltrar nas redes de lavagem, os agentes dos EUA dizem que enfrentam uma difícil batalha para capturar os culpados.

“É a forma mais sofisticada de lavagem de dinheiro que já existiu”, disse uma das fontes americanas familiarizadas com a investigação.

A única coisa mais difícil do que transportar drogas ilegais através das fronteiras é devolver os lucros aos cartéis mexicanos, disseram autoridades americanas. O dinheiro é pesado e transportá-lo expõe os traficantes a muitos riscos. Colocá-lo no sistema bancário também é perigoso. Os sistemas financeiros dos Estados Unidos e do México foram preparados para detectar dinheiro sujo.

Os promotores disseram ao tribunal que os corretores chineses de dinheiro, contornaram esses obstáculos, primeiro transferindo o dinheiro dos EUA para a China e depois para o México. 

Alguns comerciantes chineses sediados nos Estados Unidos há muito se envolvem em “swaps” de moeda não oficiais para evitar pesadas taxas bancárias. Essas transações são ilegais nos Estados Unidos, disseram as autoridades americanas, se forem usadas por empresas rotineiramente para contornar o sistema bancário formal ou para operar um negócio de transferência de dinheiro não autorizado. Em alguns casos, essas transações informais, no estilo hawala, são usadas para ajudar chineses ricos a retirar dinheiro clandestinamente da China, violando os controles monetários daquele país.

Corretores de dinheiro estão crescendo em número entre as grandes diásporas chinesas nos Estados Unidos, Europa e América Latina, de acordo com três funcionários da DEA.

A demanda por seus serviços está sendo impulsionada por chineses abastados que procuram escapar dos controles monetários da China e movimentar riqueza para o exterior, disseram autoridades da DEA à Reuters. Pequim limita a quantidade de dinheiro que seus cidadãos podem transferir para fora da China ao equivalente a US $ 50.000 por ano.

Os cartéis latino-americanos, cheios de dólares e euros com as vendas de drogas, estão em uma posição única para satisfazer o apetite chinês por moedas fortes. Alguns expatriados chineses localizados em países produtores de drogas como México, Colômbia e Peru são os intermediários que ligam esses grupos díspares de pessoas, disse Donald Im, um agente sênior da DEA e especialista em lavagem de dinheiro.

“Quando há necessidade dos cartéis de lavagem de dinheiro e há demanda por dinheiro dos chineses, você tem um casamento perfeito”, disse Im à Reuters. “Os corretores chineses são muito importantes para os cartéis mexicanos e colombianos.”

Os lavadores de dinheiro chineses estão espremendo os rivais mexicanos e colombianos reduzindo seus preços em até a metade, disseram autoridades americanas. As operadoras chinesas têm conseguido fazer isso porque cobram taxas de ambos os lados de cada transação. Eles impõem comissões gordas de até 10% aos cidadãos chineses ansiosos para tirar dinheiro da China. Isso permite que os corretores de dinheiro chineses, por sua vez, cobrem dos traficantes taxas nominais de apenas alguns pontos percentuais. Os lavadores de dinheiro ainda obtêm um lucro considerável, enquanto obtêm um suprimento constante de cobiçados dólares e euros dos clientes do cartel.

O agente Im da DEA disse que os expatriados chineses tinham “sistemas e a infraestrutura” disponíveis não apenas para lavar os lucros das drogas, mas para fazê-lo de forma tão barata que os cartéis de drogas recebessem de volta “quase 100%” de seu dinheiro sujo.

Os corretores de dinheiro chineses também conseguiram evitar escolher lados nas guerras de cartéis do México, até mesmo coordenando contratos de dinheiro com os cartéis de Sinaloa e Jalisco Nova Geração no mesmo dia, de acordo com um segundo agente sênior da DEA, que falou sob condição de anonimato.

Os traficantes usam outros chamados esquemas de lavagem de dinheiro baseados no comércio para mover dinheiro da droga da China para o México, de acordo com a DEA e funcionários do governo mexicano que falaram com a Reuters. Em julho, a Unidade de Inteligência Financeira do México, uma agência investigativa, disse publicamente que os cidadãos chineses que lavavam dinheiro para o cartel Jalisco Nova Geração estavam usando os lucros das drogas para comprar sapatos a granel da China e depois revendê-los no México para obter o dinheiro da quadrilha.

As exportações chinesas para o México, incluindo eletrônicos, roupas e outros bens de consumo, quase dobraram na última década para US $ 83 bilhões em 2019. O aumento permitiu que os cartéis de drogas e seus lavadores de dinheiro pegassem carona neste relacionamento comercial crescente, disseram as autoridades.

https://www.reuters.com/article/uk-mexico-china-cartels-factbox/factbox-step-by-step-how-chinese-money-brokers-launder-cash-for-mexican-drug-cartels-idUKKBN28D1M1

https://www.reuters.com/article/us-mexico-china-cartels-specialreport/special-report-burner-phones-and-banking-apps-meet-the-chinese-brokers-laundering-mexican-drug-money-idUSKBN28D1M4

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s